O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

Falta integração

Se o PNLT (Plano Nacional de Logística e Transportes) for implantado, trará elevados benefícios ao País. Este plano divide o Brasil em corredores de transportes, estabelecendo as rotas de menores custos para os principais produtos exportados e importados pelos empresários, priorizando desta maneira os investimentos onde realmente eles são necessários. O grande problema é como implantá-lo. O Ministério dos Transportes não tem a menor condição de fazê-lo, muito menos tem quadro de pessoal capacitado para tanto. Assim, o risco do PNLT ser esquecido nas prateleiras é grande.
A Antaq tem somente sete anos de existência e, neste tempo, muitos fatos a atrapalharam no exercício de suas funções. A criação da Secretaria Especial de Portos foi o maior exemplo disso, pois tirou da agência atribuições como a dragagem e indicação dos presidentes dos Conselhos de Autoridade Portuária (CAP).
É até salutar todos os modais de transportes serem vinculados a uma pasta só. O maior problema é ser vinculado ao Ministério dos Transportes atual. A criação da SEP foi realizada pela absoluta inércia do Ministério dos Transportes em cumprir as suas atribuições. Pode ter certeza que a saída dos portos da égide do MT, no momento atual, foi a melhor solução. Tudo ficou mais ágil e mais eficiente.
O grande problema no Brasil é que não temos uma cultura hidroviária, não se conseguiu atrair investimentos suficientes para o setor e ainda falta confiança do empresariado neste tipo de transporte. Outro problema é que as hidrovias estão, em sua maioria, afastadas das principais regiões produtoras do País. Por isso a importância da multimodalidade. O que afasta os empresários não é nem o pouco investimento, mas a falta de integração com outros modais.”(José Gerardo de Mesquita, engenheiro especialista em logística, funcionário da Agência Nacional de Transportes Aquaviários -Antaq e ex-presidente do CAP de Suape, criticando o lobby rodoviário no Brasil, que impede a multimodalidade.)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *