Desde sua origem, Marabá (PA) sofre anualmente enchentes dos rios Tocantins e Itacaiúnas e a população que reside em áreas de risco fica em situação de vulnerabilidade. Todos os anos a defesa civil estadual e municipal planeja, monitora e prepara…

Em noite de gala na próxima segunda-feira, 24, às 19h, no Teatro Maria Sylvia Nunes, em Belém, o governador Helder Barbalho vai lançar o 110º Campeonato Paraense de Futebol, o Parazão Banpará 2022, com transmissão ao vivo pela TV e…

Todos os órgãos de segurança estão trabalhando de forma integrada para dar suporte à população em face da destruição do pilar central e iminente desabamento do vão da ponte do Outeiro. O Centro Integrado de Comando e Controle da Segup…

O Procurador-Geral de Justiça do Estado do Pará, César Mattar Jr., recebeu em audiência o advogado Arnaldo Jordy e uma comissão integrada por Simone Pereira, da Universidade Federal do Pará; Marcelo Alves, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e…

Falta de defensores perpetua desigualdade

O déficit de defensores públicos estaduais é um problema gravíssimo e que merece a atenção e os recursos necessários. Não há como a população pobre – que representa pelo menos 80% da demanda – ter acesso à justiça e cidadania, já que não pode pagar advogado. Por exemplo, Jacareacanga, Novo Progresso, Trairão e Aveiro, o mais perto a não menos que 400 Km, não têm assistência. O CRAS não tem advogado, o conselho tutelar não tem advogado e como o padre titular da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, no município de Trairão, é advogado, todo mundo bate à porta da casa paroquial. 

Em Itaituba há dois defensores e um em  Rurópolis, mas eles também não aguentam a carga imensa de trabalho. A itinerância não resolve e pouco ajuda. Na Transamazônica, como em todas as demais regiões do Pará, o “perto” sempre fica a centenas de quilômetros. Junte-se o agravante de que por lá passam mais de duas mil carretas carregadas por dia e igual número voltando vazias para o Mato Grosso, o que dá uma ideia do gigantesco impacto socioambiental, com todas as mazelas imagináveis, envolvendo abusos e exploração infantojuvenil e violência sob todas as formas. 

Oriximiná, Óbidos, Almeirim, Prainha, Santa Maria do Uruará (Distrito de Prainha), Monte Alegre e Alenquer também não têm defensores, os de Santarém fazem itinerância para tentar minorar o sofrimento da população, atuam em casos das esferas cível e penal, do Estatuto da Criança e do Adolescente, e acompanham os processos de presos do sistema penitenciário, um volume titânico. 

Tal situação foi evidenciada no Encontro Regional da Comissão Justiça e Paz da CNBB Norte II, que convidou autoridades do Executivo, Judiciário e Legislativo, além do Ministério Público, para que tomassem conhecimento e as devidas providências, no âmbito de cada qual.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *