O presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, foi aclamado ontem por servidores e deputados após a sessão plenária, que se estendeu até as 15h, ao entregar os espaços reformados que já estão prontos para utilização. É que, em…

O delegado de polícia de Oriximiná, Edmílson Faro, prendeu o vigia Ailton Ferreira da Silva a pedido do presidente da Câmara Municipal, vereador Marcelo Andrade Sarubi (PSDB) e do vereador Márcio Canto (PTB) e, na presença de ambos e do…

Primeira do Brasil totalmente focada na educação para o trânsito, a biblioteca do Detran-PA foi criada em 1998 e começou direcionada ao público interno, funcionando no antigo prédio do órgão, ao lado da Ceasa. Em 1º de novembro de 1999,…

A Prefeitura de Belém vai revitalizar dezesseis imóveis do município que estão há anos em situação de abandono. Além do resgate do patrimônio histórico, artístico e cultural, a intenção é reduzir gastos com aluguéis de prédios que abrigam órgãos municipais.…

Falsa empresária lesou paraenses em mais de R$10 milhões

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação “Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para aplicar golpes. A operação transcorreu de forma simultânea em Belém, Benevides, Altamira, Porto de Moz e Brasília. As buscas e apreensões iniciaram por volta de 6h, nas residências dos envolvidos e em empresas ligadas a eles.

A estelionatária é investigada por ter desviado mais de R$10 milhões de clientes paraenses e também no Estado de São Paulo. Ela promoveu a compra e venda de vários imóveis de empresários e transferiu o dinheiro para a própria conta bancária. Além disso, também falsificou documento público, conforme declaração do diretor da DECOR, delegado Almir Alves.

A polícia descobriu que a estelionatária utilizou falsos credores para aplicar os golpes em seus clientes. As apurações também apontaram que o crime foi baseado na promessa de uma herança bilionária, em que a suspeita afirmava ter ganhado indenização no valor de R$ 42 bilhões, sem revelar o número do processo, a natureza ou sequer a suposta sentença, alegando que tramitava em segredo na Justiça Federal, e assim aplicava o golpe. Ela foi indiciada por fraudes contra a economia popular, estelionato, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

“A mulher indiciada atuava como empresária e corretora, usando a informação falsa de que havia ganhado um processo judicial aparentando ser genuína, porém utilizava todos os comprovantes de contas falsas, apresentava cheques sem provimentos de fundos, alegando serem provenientes de uma organização legítima. Entretanto, a Polícia Civil trabalhou de forma contundente para apurar o crime. Com a prisão da investigada, vamos dar continuidade na investigação para desarticular todo o esquema criminoso”, informou o delegado-geral, Walter Resende.

Nas buscas foram apreendidos aparelhos celulares, documentos e dispositivos de armazenamento. Todo o material será periciado e passa a compor o inquérito policial instaurado pela Polícia Civil, que continuam em diligências e o caso em investigação.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. Não entendi porque razão não citaram o nome da estelionatária, afinal, amanhã ou depois , ele pode voltar a fazer o mesmo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *