Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Ex-prefeito condenado por improbidade

O juiz de Curralinho, Cornélio José Holanda, acatou pedido em Ação Civil Pública interposta pelo MPF, ainda em 2010, sucedido pelo MPE-PA, e condenou o ex-prefeito Miguel Pedro Pureza Santa Maria por atos de improbidade administrativa, aplicando multa no valor de R$50 mil, com correção monetária, em prol do município, e também suspendeu seus direitos políticos  por 4 anos. O prazo para o pagamento é de 15 dias. Caso a determinação seja descumprida, será cobrada multa de 10% sobre o valor da condenação. Foram constatadas irregularidades nas prestações de contas e aplicação dos recursos provenientes do Ministério da Saúde para o Programa de Atenção Básica em Saúde, no período de 1º de janeiro de 2007 a 3 de agosto de 2009. 

Em sua defesa, o ex-prefeito Miguel Santa Maria alegou que somente é responsável pela prestação de contas de período a partir de 1º de janeiro de 2009, data em que assumiu a prefeitura de Curralinho, ficando no cargo até 31 de dezembro de 2012, e que os documentos relativos aos convênios questionados foram todos entregues à Controladoria Geral da União, havendo assim a prestação de contas necessária. Argumentou que a Justiça Federal não tinha competência absoluta para conhecer e julgar as denúncias, uma vez que a ACP não pode ser tomada como Ação de Improbidade Administrativa, as quais possuem procedimentos próprios.
A alegação de incompetência foi acatada e, assim, a JF declinou para o âmbito estadual, inclusive com transmissão do processo do MP Federal para o MPE-PA, que ratificou integralmente a ação inicial. 

Só que, durante a fiscalização da CGU à Prefeitura de Curralinho, Miguel Santa Maria não comprovou que apresentou ao TCM a prestação de contas da área de saúde de 2009, o que foi entendido como ocultação de documentação à fiscalização, negativa de publicidade aos atos oficiais, além de ausência de prestação de contas, incidindo em atos de improbidade administrativa.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *