Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Escola Estadual funciona em tenda

Nesta quinta-feira, 28, às 10h, representantes dos Ministério Público Federal e Estadual, Conselho Estadual de Educação, Secretaria de Estado de Educação, 9ª Unidade Regional de Educação, professores, alunos e a comunidade de Nazaré do Fugido reúnem para tratar dos graves problemas da Escola Estadual Manuel Sabino, no município de Magalhães Barata. Desde 2014, começaram obras de reforma e ampliação, que logo paralisaram. Desde então, as aulas são ministradas em barracas improvisadas, ao lado de um terreno que pertence à igreja católica. Na época de chuvas, as dificuldades aumentam, uma tenda até já desabou. A situação é dramática.

Em outubro de 2014, após denúncias da comunidade escolar durante o projeto Ministério Público pela Educação (MPEduc), a promotoria de Justiça local instaurou procedimento administrativo preliminar para averiguar a real situação da escola.
Foi feita uma análise pedagógica e visita técnica, e ao final se constatou que o prédio estava abandonado, em estado precário.
Com base no relatório, o MPE-PA oficiou à Seduc a fim de garantir o direito à educação naquela comunidade, mas sequer obteve resposta.
Em abril de 2015, em reunião conjunta do MPF e MPE, representados pela procuradora da República Milena Torres e pela promotora Brenda Ayan, com o secretário adjunto de logística e a diretora de recursos Ana Raquel Figueiredo representando a Seduc, a Secretaria informou que a reforma seria concluída. Contudo, não apresentou a previsão de prazos e até hoje a situação é a mesma.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *