O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Erosão na praia de Ajuruteua

Foto: Promotoria de Justiça de Bragança
A maré subiu muito nos últimos anos e a faixa de areia diminuiu drasticamente na praia de Ajuruteua, em Bragança(PA). Barracas de bares e moradias estão sendo destruídas pela força das águas. Varias casas já foram removidas, mas algumas pessoas insistem em permanecer no local. Na quinta-feira passada, o procurador da República Bruno Araújo Soares Valente e os promotores de justiça de Bragança, Bruno Beckembauer Sanches Damasceno e Daniel Barros inspecionaram a praia e realizaram audiência pública para tratar da questão, envolvendo a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Prefeitura de Bragança, Superintendência do Patrimônio da União, Universidade Federal Rural da Amazônia, Universidade Federal do Pará e outras entidades. A SPU, com o apoio da Prefeitura de Bragança e de outros órgãos, ficou de interditar imóveis e retirar famílias da área sob risco de desabamento. Aliás, jamais deveria ter sido permitido construir na praia, uma agressão à natureza.

O Ministério Público Federal com o apoio do Ministério Público Estadual e os órgãos envolvidos estão estudando soluções para agregar os interesses socioeconômicos da população da região, o meio ambiente e a ecológica utilização da área. “A situação é delicada, pois qualquer solução eficaz e duradoura de impedir a chegada da maré na área onde atualmente encontram-se as pousadas e bares seria um investimento altíssimo. Os técnicos do MPE, MPF e de outros órgãos já afirmaram que a simples construção de um bloqueio/muro de pedras, além de não resolver a questão, ainda promoveria mais danos ambientais. Apenas para realização de um estudo técnico sobre as possibilidades viáveis seria necessário investimento superior a um milhão de reais. Diga-se apenas para o estudo e aproveitando os anos de pesquisas da área já realizada pela Ufra e outras instituições de ensino”, explicou o promotor Bruno Beckembauer. 

A Prefeitura e outros órgãos estão buscando áreas próximas para que as pessoas que forem retiradas de suas residências possam permanecer nas proximidades. A SPU vem desenvolvendo trabalho na área para conscientizar alguns moradores, sobretudo proprietários de bar e pousadas, sobre a necessidade da retirada. Além disso, estão expedindo as notificações necessárias. 

A erosão da praia de Ajuruteua, tema de análises e denúncias de cientistas, vem sendo investigada desde 2015 pelo MPF, que conta com dados do Corpo de Bombeiros, do Serviço Geológico do Brasil, UFPA e Ufra. Como medida emergencial, em fevereiro deste ano o MPF recomendou à prefeitura de Bragança providências para a prevenção de acidentes provocados por eventuais desabamentos de imóveis na praia de Ajuruteua. Entre elas, a interdição de imóveis sob risco de desabamento, o isolamento dessas construções e o oferecimento de abrigo para moradores dos imóveis embargados.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *