Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Enquanto isso, o povo morre.

“A reunião que colocou, na mesma sala, secretários de Estado e de município, vereadores de Belém, deputados estaduais, federais e senadores para que se discutisse a situação da saúde no Pará, acabou servindo para quase nada. O presidente da Câmara Municipal de Belém, Raimundo Castro (PTB), foi praticamente o único a falar oficialmente pela casa e eu mesmo só consegui me pronunciar porque pedi a palavra e interrompi o discurso do senador Flexa Ribeiro (PSDB). Para piorar, o encontro durou meia hora, já que havia audiências agendadas entre os presentes junto ao governador tucano Simão Jatene. No fim das contas, um grupo significativo, com várias lideranças e representações partidárias, com oportunidade para discutir melhorias para o nosso Estado, se juntou praticamente à toa.
Raimundo Castro chegou a falar que esse era apenas um primeiro contato, a abertura de um canal de diálogo para que seja debatida a situação real de que nosso estado recebe menos atenção à saúde por parte do governo federal do que outros como Acre e Distrito Federal. Na hora em que eu consegui me manifestar, fiz questão de dizer que saúde não é o único problema do Pará, e mencionei a questão da lei Kandir, que não é revista – e eu queria perguntar, mas não pude, se alguém sabe porque isso não acontece – e há anos faz com que o Pará deixe de arrecadar todos os impostos que tem a receber. Sinceramente, me pareceu algo combinado pelo prefeito Duciomar Costa (PTB), porque não fez sentido algum reunir tanta gente que tem competência para brigar contra o que está errado em uma reunião completamente improdutiva.
Aliás, Duciomar fez questão de atacar os federais Arnaldo Jordy (PPS) e José Priante (PMDB), que estavam entre nós, e fez os discursos mais raivosos da nossa curta reunião, citando que muitos tratam a saúde com proselitismo político. Priante rebateu dizendo que a Prefeitura Muncipal de Belém está inadimplente junto ao Ministério da Saúde, portanto, deixando de receber todos os repasses devidos.”
(Do vereador Carlos Augusto Barbosa (DEM), em seu blog). 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *