Quando todos apostavam em uma radicalização que causasse esgarçamento das relações empresariais na cúpula das indústrias instaladas no Pará, a diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Pará, liderada por José Conrado Santos e José Maria Mendonça, deu uma…

Os botânicos Fúvio Oliveira e Rafael Gomes, doutorandos do Programa de Pós-graduação em Botânica Tropical do Museu Paraense Emílio Goeldi e Universidade Federal Rural da Amazônia, concorreram com 86 jovens cientistas do mundo inteiro e estão entre os 23 contemplados…

Na próxima terça-feira, dia 16, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, deverá incluir na pauta do plenário a apreciação do Processo nº 7/2022, encaminhado pelo Tribunal de Contas do Estado, tratando da prestação de contas do Governo do Pará…

Liderados pelo presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), promotor de justiça Manoel Murrieta, que é paraense, promotores, procuradores, juristas e convidados do Brasil inteiro irão reafirmar o compromisso institucional do Ministério Público e o seu papel…

E se fosse

Mesmo se pudesse, não colocaria em palavras o que é, nem o que quer, nem o que faz, nem o que gosta, nem do que é capaz. Não chegaria nem partiria muito menos estaria lá, não olharia nem fingiria, não limitaria o que conjugar, esqueceria de expressar, lembraria de ficar.
Não fugiria ao encontrar, não aparentaria não estar, falaria coisas sérias quando tudo fosse uma brincadeira, ficaria abobalhado quando a verdade chegasse, riria do nada, contemplaria o tudo, suaria as mãos, viraria fácil, dormiria no teto, esqueceria um monte, guardaria para sempre.
E por mais estranho que fosse, esconderia e compartilharia, sorriria ao ser pego, endureceria às questões, quem sabe emudeceria depois das duas, e sonharia depois da chuva, mostraria o impossível, diria nem cedo nem nunca, jamais.
Perderia todas, feliz da vida, sem pestanejar, andando de bicicleta, plantando bananeira. E tomaria sem reclamar café escaldante na tarde mais quente do ano, e tomaria sorvete em graus abaixo de zero. Nadaria nas pedras que todo dia farão seu caminho, agarraria o que ninguém quisesse, agradeceria pelo infortúnio, e com isso seria tão, tão feliz…
Seria estranho aos que passassem, normal aos que ficassem, único aos que observassem. Sentiria, aconteceria, choraria e sorriria mais que o normal, tudo isso se um dia fosse, se um dia pudesse dizer o que é, o que quer, o que faria se fosse capaz de colocar em palavras, se soubesse em que pessoa conjugar.”
(Gabriella Florenzano, no blog Flores de Agosto).

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *