A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

E se fosse

Mesmo se pudesse, não colocaria em palavras o que é, nem o que quer, nem o que faz, nem o que gosta, nem do que é capaz. Não chegaria nem partiria muito menos estaria lá, não olharia nem fingiria, não limitaria o que conjugar, esqueceria de expressar, lembraria de ficar.
Não fugiria ao encontrar, não aparentaria não estar, falaria coisas sérias quando tudo fosse uma brincadeira, ficaria abobalhado quando a verdade chegasse, riria do nada, contemplaria o tudo, suaria as mãos, viraria fácil, dormiria no teto, esqueceria um monte, guardaria para sempre.
E por mais estranho que fosse, esconderia e compartilharia, sorriria ao ser pego, endureceria às questões, quem sabe emudeceria depois das duas, e sonharia depois da chuva, mostraria o impossível, diria nem cedo nem nunca, jamais.
Perderia todas, feliz da vida, sem pestanejar, andando de bicicleta, plantando bananeira. E tomaria sem reclamar café escaldante na tarde mais quente do ano, e tomaria sorvete em graus abaixo de zero. Nadaria nas pedras que todo dia farão seu caminho, agarraria o que ninguém quisesse, agradeceria pelo infortúnio, e com isso seria tão, tão feliz…
Seria estranho aos que passassem, normal aos que ficassem, único aos que observassem. Sentiria, aconteceria, choraria e sorriria mais que o normal, tudo isso se um dia fosse, se um dia pudesse dizer o que é, o que quer, o que faria se fosse capaz de colocar em palavras, se soubesse em que pessoa conjugar.”
(Gabriella Florenzano, no blog Flores de Agosto).

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *