O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

E-book em Defesa do Patrimônio Cultural

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por Márcia Sant’Anna e Hermano Queiroz, um manifesto de apreço à trajetória das instituições públicas que lideram esse processo e, ao mesmo tempo, um protesto veemente contra o rebaixamento da sua qualidade técnica, o abandono dos seus princípios de atuação e a banalização de diretrizes consolidadas nos últimos dois anos.

Com dezessete artigos e duas entrevistas de renomados pesquisadores e estudiosos de grande experiência e importância para o campo do patrimônio, o livro pontua os percursos trilhados e os desafios enfrentados ao longo de quase um século de ações em defesa do patrimônio cultural no país. Uma referência fundamental para todos os interessados no tema.

O Fórum é integrado por 25 entidades nacionais representativas de antropólogos, arqueólogos, arquitetos e urbanistas, arquivistas, geógrafos, gestores culturais, historiadores, historiadores da arte e sociólogos, bem como as seções brasileiras dos conselhos e comitês internacionais dedicados à preservação dos monumentos e sítios (ICOMOS), do movimento moderno (Docomomo), do patrimônio industrial (TICCIH) e aos museus (ICOM), além de uma das mais importantes entidades de comunidades quilombolas do país (Conaq).

Na apresentação da obra, o coordenador do Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro, Nivaldo Andrade, salienta que a extinção do Ministério da Cultura e a posterior vinculação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) ao Ministério do Turismo; as sucessivas nomeações de pessoas sem a devida experiência profissional ou formação para ocupar importantes cargos na direção e nas superintendências do IPHAN; a significativa redução do orçamento federal destinado ao IPHAN nos últimos dois anos; a extinção de todos os comitês gestores de sítios patrimônio mundial, exigidos pelos compromissos assumidos pelo Brasil junto à Unesco; o esvaziamento da Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC); as ameaças aos povos e comunidades tradicionais decorrentes da desregulação da proteção ambiental e da revisão de direitos adquiridos por indígenas e quilombolas nas últimas décadas são algumas das ações implementadas nos últimos dois anos que colocam em risco políticas públicas instituídas ao longo de mais de oitenta anos e a própria salvaguarda do patrimônio cultural brasileiro.

Desde a sua criação, o Fórum tem liderado iniciativas relevantes na defesa do patrimônio cultural brasileiro e das suas instituições, através de grupos de trabalho e comissões temporárias e dos 25 fóruns estaduais instalados a partir de agosto de 2020 e que congregam hoje mais de 300 especialistas das mais diversas áreas.

Várias das entidades do Fórum contribuíram financeiramente para tornar possível a publicação em formato de e-book, permitindo o acesso livre e gratuito ao seu conteúdo, por reconhecer que, com isso, promovem a reflexão crítica que alimenta e se alimenta das ações de salvaguarda do patrimônio cultural.

A comissão que acompanhou a organização da publicação foi composta por Antônio Arantes (ANPOCS), Luciana Carvalho (ABA) e Antônio Gilberto Nogueira (ANPUH). Autor de um dos textos, o Prof. Ulpiano Bezerra de Meneses foi capaz de transitar em diferentes áreas vinculadas ao patrimônio, da arqueologia à museologia, da história ao urbanismo. De forma brilhante, se envolveu em diversas frentes, do ensino e pesquisa à gestão institucional em órgãos e conselhos de salvaguarda do patrimônio e em importantes museus.

O E-book pode ser baixado aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *