Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Dois pesos e duas medidas

Uma empresa particular será responsável pela retirada dos destroços do avião que caiu no mar a menos de dois quilômetros de Paraty(RJ), matando o ministro do STF Teori Zavascki e outras quatro pessoas. O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), órgão da Aeronáutica responsável pela principal investigação sobre as causas do acidente, informou que a retirada do avião será complexa, porque ele está num local muito raso, onde a profundidade é de apenas três metros e que, “nesses casos, é preciso contratar uma empresa especializada e cabe ao dono arcar com o custo”. Ninguém contrariou a orientação do Cenipa. 

Enquanto isso, já vai completar um ano e quatro meses, no próximo dia 6, que o navio Haidar afundou com 700 toneladas de óleo e cinco mil bois vivos no porto de Vila do Conde, em Barcarena(PA). As praias de Vila do Conde e a de Beja, em Abaetetuba, além do píer onde ocorreu o acidente, foram interditados e proibidos para qualquer tipo de atividade. Laudos do respeitadíssimo Instituto Evandro Chagas comprovaram a contaminação do rio Pará, e recomendaram que se evitasse até o contato com as águas da região, por não ser seguro tomar banho no rio. Conforme ação do Ministério Público Federal, o dano socioambiental para os moradores dos municípios de Barcarena e Abaetetuba soma R$ 71 milhões em indenizações que ainda não foram pagas. O Estado aplicou multas de R$ 29.675.250, mas as empresas recorreram, o navio continua lá, os restos mortais dos bois se dissolveram no rio e tudo caminha a passos de cágado no Judiciário.
São réus nas ações os donos do Haidar, Husei Sleiman e Tamara Shiping, a proprietária da carga de bois vivos, Minerva S.A, as responsáveis pelo embarque dos bois, Global Agência Máritima e Norte Trading Operadora Portuária, além da Companhia Docas do Pará (CDP), responsável pelo porto de Vila do Conde. A população mais impactada só foi amparada com fornecimento de água e cestas básicas nos primeiros momentos após o naufrágio.  

E nenhuma voz se eleva em defesa dos nossos ribeirinhos e do Pará como um todo, que sofre prejuízo milionário nas exportações, perdendo ainda mais investimentos e empregos, justamente em cenário de crise, sem falar nos impactos gravíssimos à saúde pública.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *