Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Dica cultural em Belém


Agendem aí: o Cine MEP deste mês exibirá duas produções: uma nacional e outra local. “Das águas que passam” e “Batalha de São Brás” estarão em cartaz amanhã, na Sala das Artes, do Museu do Estado do Pará, a partir das 11h. 

“Das águas que passam” foi a única produção brasileira a disputar na categoria de curta-metragem, os prêmios Urso de Ouro e Urso de Prata no 66º Festival Internacional de Cinema de Berlim, o “Berlinale 2016”. De autoria do diretor capixaba Diego Zon, acompanha o pescador Zé de Sabino. A narrativa se aproxima da natureza deste homem em seu trabalho e em suas relações com o local e as pessoas que o cercam. O filme também tem como cenário a foz do Rio Doce e a costa da região. 

O documentário “A Batalha de São Brás” é uma média-metragem de 26 minutos e conta a história de luta do mercado de São Brás. Durante o dia, o mercado, no bairro do mesmo nome, em Belém do Pará, é uma feira de gêneros alimentícios, artesanato e diferentes produtos no entorno de um prédio histórico que data do início do século XX. Uma das joias da arquitetura da cidade, o prédio está com a estrutura deteriorada pelo tempo e falta de manutenção. Mas, durante os sábados à noite, o lugar se transforma ao reunir jovens de diferentes bairros em torno de um único objetivo: saber quem é o melhor MC da noite. Na linguagem hip hop, o MC é artista ou cantor que compõe e canta seu material próprio e original. Direção: Adrianna Oliveira. 

Aproveitem que a entrada é gratuita.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *