Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Dia do Jornalista

A maior parte da população ainda não tem consciência do papel do jornalismo para a efetiva garantia do exercício da cidadania. Num país em que o voto de cabresto ainda persiste e os mínimos direitos sociais são apresentados por governantes em propagandas oficiais como grandes realizações, é o jornalista que atua como agente de informação e libertação da ignorância que escraviza as classes menos favorecidas. 

Longe de ser profissão glamourosa, o jornalismo é por demais estressante, geralmente mal remunerado, perigoso e tem vitimado muitos de seus maiores expoentes, perseguidos implacavelmente pelos que se acham acima da lei e que se acobertam em relações promíscuas para se manter impunes.

Desde os primórdios da Humanidade, é a informação correta e segura que promove os avanços. É a nudez do caráter dos “reis” de plantão a permitir a alternação do poder. Consequentemente, os poderosos não gostam dos que se atrevem a revelar seu âmago. Tentam comprar os favores e, quando não conseguem, dedicam-se a perseguição implacável, sem hesitar em utilizar indevida e criminosamente o aparato público para consecução de fins pessoais. 

Nós, jornalistas, não somos melhores que ninguém. Entretanto, exercemos atividade essencial para a democracia. Merecemos ser respeitados como seres humanos, homens e mulheres, pais e mães, trabalhadores e cidadãos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *