A juíza Sara Augusta Pereira de Oliveira Medeiros, titular da 3ª Vara Cível, Infância e Juventude, Órfãos, Interditos e Ausentes de Castanhal (PA) exarou uma sentença emblemática, em plena Semana da Pessoa com Deficiência: obrigou a Escola Professor Antônio Leite…

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de…

O governador Helder Barbalho sanciona hoje à noite, em cerimônia no auditório do Centur, o 'Vale Gás' e o 'Água Pará', destinados a famílias de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade social. Ambos serão gerenciados e fiscalizados pela Secretaria…

Ciclistas liderados pelo grupo Pedal Mulher Nota 100, com apoio de alunos e voluntários da Universidade Federal do Pará e da Academia Paraense de Jornalismo, realizarão uma performance, nesta quinta-feira (23), das 8h às 10h, a fim de chamar a…

Destruição do patrimônio na Cidade Velha


A Dulce Rosa Rocque, presidente da Associação Cidade Velha, Cidade Viva,
está indignada, com toda razão. Mês sim, e outro também, o casario da Cidade
Velha, em Belém, tem sua fachada modificada radicalmente, para incluir portões
e garagens, sem qualquer autorização.

A redução
do IPI levou os moradores do bairro a comprar carros. A experiência de
estacionar na rua, sobre as calçadas de lioz, não deu certo, nem tanto pelas
multas que raramente a Semob  faz, mas
pela ação dos delinquentes à noite.
E aí os donos de casas centenárias começaram
a febre das “portas alargadas
para abrigar carros.  No último sábado,
uma casa datada de 1813, situada na Rua Dr. Malcher, foi alvo da sanha de seus
ocupantes. Derrubaram a porta e transformaram-na em portão.

Desta
vez, porém, o Iphan estava por perto e chegou a ver os ‘trabalhadores‘ causando dano ao patrimônio histórico, relata Dulce
Rosa, embora ninguém saiba exatamente o que acontece depois que os órgãos
competentes descobrem o fato, até porque casos denunciados continuam do mesmo
jeito. Talvez existam processos em curso; entretanto, os outros veem que nada
aconteceu e fazem igual. E assim o patrimônio tombado perde suas características
e a memória de Belém, às vésperas dos 400 anos, vai pelo ralo.
O problema de estacionamento de carros na
Cidade Velha demanda providências urgentes.  A falta de fiscalização para cumprimento do
Código de Postura do município é gritante. Confiram as fotos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *