0

Começa no dia 1° de abril o projeto Cine Curau. A primeira atividade será o workshop “Desinventando a Amazônia: a imagem de um território e suas ficções”, que será ministrado por Mateus Moura, cineasta e cineclubista no norte do país há 15 anos. Na semana seguinte haverá uma formação com jovens cineclubistas nas escolas municipais Amália Paumgartten, no bairro do Guamá, e Manuela Freitas, no bairro de Canudos.

O Cine Curau é uma iniciativa de cineclubismo amazônida e foi concebido inicialmente como um programa para a rede municipal de educação. Os cursos terão garantida a presença de um intérprete de libras e os filmes produzidos nas oficinas serão legendados também para este público.

As Oficinas de Formação Jovem Cineclubista serão em abril e maio, em parceria com o Clube do Filme, coordenado por Manuella Porto, professora de Sociologia nas escolas municipais de Belém. Em maio, o Sesc Ver-o-Peso também recebe o curso de formação crítica “Retratos brasileiros: cinema popular e transgressão nos anos 1980”, com Adolfo Gomes, crítico e cineclubista histórico da cidade.

Já no começo de junho, será a vez de um curso sobre cinema de guerrilha, ministrado pelo realizador e cineclubista Francisco Weyl. “Ele vai discutir esse cinema fora do eixo, do comercial, e que é realizado na Amazônia, nos quilombos, nas aldeias, em outras rotas menos reconhecidas, cinema de comunidade, cinema coletivo. Vai trabalhar vários conceitos importantes para entender o cinema na Amazônia: a tecnologia do possível, o cinema de guerrilha, as estéticas da gambiarra”, comenta Mateus Moura, idealizador do Cine Curau.

O workshop Desinventando a Amazônia será de 1º a 5 de abril, de 15h às 18h, na Casa das Artes, vinculada à Fundação Cultural do Pará. “Acho que o público tem que ir preparado para entrar numa revisão crítica do imaginário sobre o território amazônico, principalmente a partir de si mesmo, de suas próprias memórias e convicções”, pontua Mateus Moura.

A programação é gratuita, com carga horária de 15h e certificado. Público-alvo: interessados em arte, cultura e política na (e sobre) Amazônia.

Todos reclamam mas ninguém obedece

Anterior

Gossips e gafes internacionais

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *