A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Deputados militares defendem as Polícias

FOTO: OZÉAS SANTOS
O presidente da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa, deputado Coronel Neil(PSD), ultima relatório sobre a ação policial na Fazenda Santa Lúcia, em Pau D’Arco, no último dia 24. Ele esteve no local, ao lado do deputado federal Delegado Éder Mauro e do deputado estadual Soldado Tércio; além do delegado Rodrigo Galende, representante do Sindicato de Policiais Civis; do delegado João Moraes, representante do Sindicato dos Delegados; do Cabo PM Mauro; e do vice-presidente do Sindicato do Vigilantes, Alberto Pinheiro. 

Ontem, durante a sessão ordinária da Alepa, o Coronel Neil sustentou que nenhum policial sai de casa para matar outra pessoa, e sim para cumprir determinação judicial. Também afirmou que a maioria recebeu a missão minutos antes do ocorrido na fazenda em Pau D’Arco. Enfatizou, ainda, não ser possível afirmar que o local das mortes foi descaracterizado pelos policiais, visto que o fato ocorreu nas proximidades de Redenção e o Instituto Médico Legal fica em Marabá, e que para se ter uma ideia, em Belém, quando há troca de tiros, o policial espera em média quatro horas até que a perícia chegue.

“Quantos horas levariam até que o Instituto chegasse à Redenção? Em que estado estariam os corpos e como estariam os possíveis sobreviventes?”, questionou o parlamentar, que pediu a recolocação de policias civis e militares em Redenção. Até agora 29 policiais foram afastados em decorrência das investigações. 

Conforme o Coronel Neil, a população está acuada e com medo. Entre os dias 3 e 10 de junho haverá um grande evento em Redenção e a cidade está sem policiais. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *