Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Denúncias orais sobre transporte fluvial

Durante a arguição do novo diretor geral da Arcon, que ainda está em andamento na Alepa, o deputado Thiago Araújo(PPS) denunciou há poucos minutos, da tribuna, que embarcações com autorização do governo federal para realizar o transporte interestadual de passageiros e cargas na verdade fazem transporte intermunicipal, burlando a lei e a fiscalização estadual. Não quis revelar os nomes agora mas garantiu que enviará ao órgão a lista com a identificação dessas empresas de navegação. Por outro lado, Thiago deu seu testemunho pessoal quanto ao transporte feito de Belém para o Marajó. reivindicando o fim do monopólio, ele criticou duramente, inclusive afirmando que sabe “existir muita coisa por trás”. Classificou o serviço de travessia como “péssimo”, e contou já ter ficado durante horas “ilhado” a bordo de um ferry boat que simplesmente ficou sem combustível no meio da viagem.

O deputado Lélio Costa e Silva(PCdoB) também fez denúncias da tribuna, no que tange à cobrança desordenada de tarifas de passagens e a necessidade de fiscalizar. Relatou que, como usuário frequente, já teve que pagar preços diferentes em viagens no trecho Belém/Breves/Belém, um valor na ida e outro na volta, assim como no trecho Belém/Curralinho/Belém, além de passagens Curralinho/Breves com valores equivalentes ao percurso de lá do arquipélago a Belém, sendo que o trajeto neste último caso é muito mais longo.


Em sua resposta, o diretor geral da Arcon, Bruno Guedes, jogou a bola para a Setran, informando que é a real concedente do serviço.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *