A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Denúncia aditada

O promotor de Justiça Arnaldo Célio da Costa Azevedo aditou hoje a denúncia criminal de fraudes na folha de pagamento da Alepa. Na petição, inclui Maria Genuína Carvalho de Oliveira, ex-diretora financeira da Casa, e Danielle Naya Xavier Hage, filha de Daura Hage, acusadas de peculato e formação de quadrilha.

O MPE/PA encontrou indícios de que ambas também se beneficiaram do esquema de funcionários fantasmas. Elas já foram alvo de pedido de quebra do sigilo fiscal, bancário e sequestro de bens, em medida cautelar.
Em vários depoimentos, Mônica Pinto detalhou como funcionava o esquema de desvio de dinheiro da Alepa, por meio da inserção de fantasmas e gratificações indevidas na folha de pagamento. E afirmou que as ordens partiram de Sérgio Duboc, Maria Genuína, Semel Charone e Edmilson Campos.

Genuína também teria determinado a inclusão na folha de diferença de gratificação no valor de R$6 mil, de setembro de 2008 a março de 2009. A partir de junho até setembro de 2009 teria recebido, por mês, R$2 mil reais indevidamente.

Muitos dos valores da folha de pagamento eram repassados pela própria Mônica Pinto a Maria Genuína, conforme atestam os autos.

O Ministério Público apurou, ainda, que Danielle Hage  recebia pagamento da Alepa desde 2007, embora resida há três anos em Pernambuco, como atestam fotos datadas de 2007, de Danielle Hage e familiares, tiradas no Estado de Pernambuco, em CDs anexados aos autos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *