Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Demolição no palacete Passarinho

Na terça-feira passada, dia 17, a Associação dos Amigos do Patrimônio de Belém recebeu denúncia de que estariam demolindo o Palacete Passarinho, aquele belo casarão em estilo eclético, construído em 1925 pelo engenheiro José Sidrim, que é tombado como patrimônio histórico na esfera estadual desde 04.10.2004, e fica na Av. Magalhães Barata, bem ao lado do Parque da Residência, onde funciona a Secretaria de Estado de Cultura. De imediato, a presidente da AAPBel, Nádia Cortez Brasil, encaminhou a denúncia ao Departamento de Patrimônio Histórico, Arquitetônico e Cultural da Secult, solicitando informações acerca da existência de projeto de reforma do bem, autorização pela Secult e, em caso de descumprimento da lei nº 5.629/1990, quais as medidas administrativas tomadas. 

A diretora do DPHAC, arquiteta Thais Zumero Toscano, mandou uma equipe fiscalizar e constatou demolição não autorizada no gazebo da edificação.
Expediu notificação, com prazo de 48h para comparecimento do proprietário, de posse do projeto arquitetônico. Ao mesmo tempo, a demolição, apesar de ser no anexo externo, foi paralisada. 

O representante do proprietário foi ao DPHAC e deu entrada na documentação necessária. “A Secult agiu rápido para impedir a obra irregular e talvez evitar mais um prejuízo ao nosso patrimônio, de acordo com o que dita a lei estadual do Patrimônio, art. 20: o bem tombado só poderá ser reparado, pintado, restaurado ou sofrer qualquer forma de intervenção, com prévia autorização documentada do DPHAC ou AMPPPC, aos quais caberão prestar orientação e acompanhamento à obra ou serviço”, diz a presidente da AAPBel.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *