Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Degradação na praia de Ajuruteua

As promotoras de justiça Eliane Moreira e Jeanne de Oliveira
deram dez dias para a prefeitura de Bragança apresentar um relatório sobre o
cumprimento da decisão judicial de 2009 referente à ocupação irregular da praia
de Ajuruteua e a realização de estudos para solucionar a questão das fossas
instaladas na praia. À Vigilância Sanitária, o MP requereu vistoria técnica nos
estabelecimentos comerciais da praia para verificar as condições sanitárias e
tomar as  medidas necessárias.

Um estudo técnico sobre os impactos ambientais ocasionados pela ocupação
irregular na praia, elaborado pela Secretaria de Meio Ambiente, deverá ser
entregue à promotoria de justiça em vinte dias. A água da praia, incluindo o
lençol freático, também será analisada pelo Centro de Perícias Científicas Renato
Chaves, que tem prazo de vinte dias. Os barraqueiros terão que apresentar
documentos que autorizem sua instalação na praia. Ação Civil Pública em
tramitação na Justiça Federal de Castanhal contra a prefeitura de Bragança pede
a demolição e remoção de restos de barracas, fossas e outros objetos
abandonados na praia.
A praia de Ajuruteua é considerada área de preservação
permanente, mas a prefeitura não fiscaliza atividades e empreendimentos que
geram lixo, poluição e degradação ambiental, nem promove coleta seletiva
durante todo o dia na praia e com reforço em finais de semana prolongados,
feriados, festas de final de ano e no mês de julho, incluindo lixo orgânico,
escombros, ruínas, dunas mangues e restingas do ecossistema, como deveria;
afinal, é sua responsabilidade o cuidado com o destino do lixo, a saúde pública
e o meio ambiente.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *