Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Degradação das nascentes do igarapé Tauema

Alertada pelos coordenadores do grupo espírita Jardim das Oliveiras, que administra o espaço ecológico Sítio Jardim Benevides, a promotora de Justiça Regiane Brito Coelho Ozanan convocou o Instituto Evandro Chagas, o Laboratório Multiusuário de Tratabilidade de Águas e de lodo da Faculdade de Engenharia Sanitária e Ambiental, do Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará, e a empresa Sampaio e Moraes Ltda. para discutir estratégias de recuperação das nascentes do igarapé Tauema, importante contribuinte da bacia hidrográfica do rio Benfica. 

A construção da BR-316, a instalação de restaurantes nessa região e a implantação de várias empresas impactaram as nascentes, mas o prejuízo maior foi quando do acidente que lançou milhares de litros de material oriundos da empresa Sampaio e Moraes Ltda., produtora de um refrigerante.
“Tomamos todas as providências para evitar a contaminação, e investimos nos trabalhos de recuperação de parte da área localizada no sítio, alteramos nosso sistema de produção e hoje temos um monitoramento e tratamento de cada seção da empresa. Somos a única empresa da região a realizar este trabalho de controle, monitoramento e lançamento dentro dos padrões exigidos pela legislação ambiental. Contratamos o Lamag, da UFPA, para realizar essas alterações. Mesmo lançando nosso material nos padrões exigidos por lei, observamos que a água do igarapé continua com dificuldades de recuperação”, informou Rafael Sampaio. 

O próximo passo do Ministério Público é identificar outros degradadores e qual o grau de contribuição na poluição do igarapé. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *