Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Defensoria aciona PMB por lei que proíbe Uber

Na quarta-feira (06) foi sancionado pelo prefeito de Belém o projeto do vereador Orlando Reis que proíbe a utilização do Uber e outros aplicativos de transporte remunerado de pessoas em veículos particulares cadastrados através de aplicativos. Agora é Lei Municipal nº 9.233/2016. Não se sabe qual o motivo de tanta pressa para beneficiar a classe de taxistas em detrimento de toda a população, antes mesmo de o Congresso Nacional legislar sobre o tema e justamente em um momento de crise em que muitas famílias precisam de renda alternativa, além do direito constitucional de cada cidadão escolher o transporte particular que lhe aprouver. 

Por entenderem que tal lei é uma afronta ao interesse público e atropela a Constituição, os defensores públicos Arnoldo Peres e João Paulo Carneiro Ledo, do Núcleo de Defesa do Consumidor da Defensoria Pública estadual, ajuizaram Ação Civil Pública com pedido de liminar, já distribuída para a 3ª Vara da Fazenda Pública, sob o nº 0806748-62.2016.814.0301. 

A ação, contra o Município de Belém e a Semob, tem como objeto a tutela jurisdicional aos direitos difusos dos consumidores de escolher o meio de transporte mais adequado e dentro de um quadro de livre concorrência e dos direitos coletivos dos valores sociais do trabalho e da livre iniciativa dos motoristas “parceiros” prestadores do serviço de transporte privado individual remunerado de passageiros cadastrados em aplicativos, que estão sendo prejudicados, assim como toda a população usuária.

Sustentam que o serviço de transporte de pessoas oferecido através de aplicativo, como por exemplo, o Uber, insere-se na modalidade de contrato particular, não se confundindo com o serviço público de transporte prestado por taxistas, mediante permissão do poder público. Os defensores lembram que não à toa leis nesse sentido estão sendo questionadas perante o Judiciário. 

A ACP cita o estudo técnico do CADE que concluiu não existirem elementos econômicos que justifiquem a proibição de novos prestadores de serviços de transporte individual e que, para além disso, elementos econômicos sugerem que, sob uma ótica concorrencial e do consumidor, a atuação de novos agentes tende a ser positiva.

Poderia – e deveria! – o município de Belém regular a atividade, como foi o caso de São Paulo, que instituiu regras e pagamento de taxas, o que não se admite é simplesmente proibir o uso.
Por se tratar de ato ilegal e abusivo, que joga no lixo direitos fundamentais, tanto individuais quanto coletivos, ao arrepio d
a Constituição Federal, é questão de Justiça a concessão da liminar e do provimento às alegações de mérito da ACP.

Leiam a íntegra da ação aqui.

Confiram aqui o inteiro teor do estudo do CADE.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *