Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

De ideais claros e coragem cívica

Não é possível apartar os conceitos de política e cidadania. Há um vínculo inclusive de natureza semântica entre as duas palavras, que, objetivamente, significam a mesma coisa.
A noção de política está apoiada num vocábulo grego, polis (cidade) e cidadania se baseia em um vocábulo latino correspondente, civitatem. Embora a origem etimológica seja diferente, os dois termos propõem que se pense na ação da vida em sociedade. 

Hoje, quando temos o direito e a responsabilidade de escolher nossos futuros governantes, e a campanha eleitoral, emblematicamente, se iguala em virulência à de 1990 -quando o Brasil retomava a normalidade constitucional e as liberdades democráticas – é preciso ter claro que o que nós precisamos não é divisão, não é ódio, não é violência,  e sim igualdade, justiça e o resgate da condição de cidadãos, na sua mais elevada acepção, com a erradicação da corrupção e da impunidade, antes que lancem a nossa Pátria amada no fosso. Não precisamos de figuras messiânicas, nós mesmos podemos fazer o certo neste País. Política é hoje sinônimo de sujeira, patifaria, corrupção. Mas política, na verdade, envolve também os partidos, e não se esgota neles. É toda e qualquer ação em sociedade, em família, em instituições religiosas e sociais, nas relações de trabalho. 

O conceito de cidadania está indissoluvelmente ligado ao de democracia. Na antiguidade clássica, ser cidadão era ter participação política.
Ser cidadão, agora, não é só cobrar direitos, mas lutar para conquistá-los e mantê-los. O pleno exercício da cidadania e da democracia estão associados à ideia de igualdade entre os indivíduos. A maioria absoluta  dos compatriotas quer melhorar a qualidade de vida para todos os que vivem em nossa terra. Não se pode perder de vista que o desconhecimento e o desprezo aos direitos do homem conduziram a atos de barbárie que revoltam a consciência da Humanidade. É hora de proclamar, de novo, a fé nos direitos fundamentais, na dignidade e no valor da pessoa humana, na igualdade de direitos dos homens e das mulheres, dos gays, lésbicas e transgêneros, dos índios e quilombolas. Vamos nos dedicar àquilo que os gregos escreveram tantos anos atrás: domar a selvageria do homem e suavizar a vida no mundo. Desenhar um novo futuro para o nosso País e para a nossa gente, c
onvergindo a clareza dos ideais, a relevância dos temas e a coragem cívica dos posicionamentos. É assim que iluminaremos o debate sobre a governabilidade, o impacto da violência na vida pública, a relação de eleitores e eleitos, o pluralismo, a interação entre os meios e os fins. 

Fiel aos clássicos de sua predileção – Hobbes, Locke, Rousseau, Kant, Hegel -, autor de duas obras-primas de literatura moral e autobiográfica, “Elogio da Brandura” (1994) e “De Senectute” (“Tempo de Memória”, no Brasil, 1996), Norberto Bobbio identificava-se com os clássicos estoicos quando dizia que as virtudes do leigo são o rigor crítico, a dúvida metódica, a moderação, a tolerância. Ou quando assim se definia, resumindo seu legado de sabedoria: “Aprendi a respeitar as ideias alheias, a deter-me diante do segredo de cada consciência, a compreender antes de discutir, a discutir antes de condenar. E já que estou em veia de confidências, faço uma ainda, talvez supérflua: detesto os fanáticos com toda a alma“. 

Neste dia cívico, não olvidemos o que diz o art. 21 da Declaração Universal dos Direitos do Homem, em seu item  3: “A vontade do povo é o fundamento da autoridade dos poderes públicos; e deve exprimir-se através de eleições honestas a realizar periodicamente por sufrágio universal e igual, com voto secreto ou segundo processo equivalente que salvaguarde a liberdade de voto“. Que se cumpra!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *