Para marcar os quinze anos de criação das Florestas Estaduais de Faro, Trombetas e Paru, da Estação Ecológica Grão-Pará e da Reserva Biológica Maicuru, na Calha Norte, hoje (4), o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) lançou…

Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

De crianças e adolescentes


Segundo os dados
do Unicef, 150 milhões de meninas e 73 milhões de meninos são vítimas de exploração
sexual no mundo. No Brasil, 165 crianças sofrem por abuso sexual a cada dia, cerca
de 7 casos a cada hora, sem falar na venda de imagens pela internet de crianças
abusadas. Por causa da deficiência estatal, na realidade os números são muito
maiores porque incontáveis casos nem chegam a ser denunciados. E o Pará é um
dos estados brasileiros no topo desse triste ranking.
Em fevereiro de 2010, o relatório da
CPI da Pedofilia da Alepa computou mais de cem mil casos de 2005 a 2009, dos
quais só 14 sentenciados, o que aumentou para 97 sentenças no final de 2010.
É preciso criar uma estrutura
permanente de amparo a crianças e adolescentes. O Pró-Paz jamais alcançará
eficiência se continuar com ações pontuais. É preciso que funcione em cada
posto de saúde, em cada delegacia, hospital, que qualquer órgão público tenha
pelo menos uma pessoa de contato para fazer a denúncia e o encaminhamento da
vítima. Caso contrário, sempre serão insuficientes os inquéritos e as demais
providências. 
A violência não espera caravanas. As
vítimas não têm dinheiro nem para comer, quanto mais para se transportar até a
delegacia especializada, a sede do MP ou do Pró-Paz. Ou se quebra esse círculo
vicioso, burocrático, ou a luta está fadada ao fracasso.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *