A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Curiosidades musicais

A empresa de navegação Lloyd Brasileiro tinha uma linha Buenos Aires – Manaus, com escala obrigatória em Santarém, onde a embarcação permanecia por cerca de 2 dias, para carregamento de madeira, algodão e outros produtos. E, nos navios, havia sempre um conjunto típico que tocava tangos argentinos, constituído de violino, piano, bandoneón – que conhecemos como acordeão ou sanfona.

O maestro Wilson Fonseca gostava de ir a bordo daqueles navios, conduzido por uma catraia, a fim de assistir a execução daquela música, tida como excêntrica na época. Quase sempre obtinha dos músicos uma cópia das partituras, geralmente quando o navio retornava de Manaus, porque não havia a facilidade de fotocópias. Um dia, Isoca resolveu compor também um tango naquele estilo. Não um tango-brasileiro, como assim chamava Ernesto Nazareth para os maxixes que compunha. Era mesmo um tango-argentino, que o Dr. Silvério Sirotheau Corrêa, saudoso advogado santareno, ao viajar num desses navios, teve a satisfação de ouvir o conjunto tocar.

Com Felisbelo Sussuarana houve um fato curioso, em 1936. Isoca costumava remeter-lhe o esquema, inclusive a métrica, para que ele fizesse a letra sobre música já composta, dando-lhe o tema e até o título. Em certa ocasião, o maestro não encontrou o título para um tango e pôs no papel uma simples interrogação. Ele, então, devolveu o material com uma linda letra sob o título de “Interrogação“. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *