Quando todos apostavam em uma radicalização que causasse esgarçamento das relações empresariais na cúpula das indústrias instaladas no Pará, a diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Pará, liderada por José Conrado Santos e José Maria Mendonça, deu uma…

Os botânicos Fúvio Oliveira e Rafael Gomes, doutorandos do Programa de Pós-graduação em Botânica Tropical do Museu Paraense Emílio Goeldi e Universidade Federal Rural da Amazônia, concorreram com 86 jovens cientistas do mundo inteiro e estão entre os 23 contemplados…

Na próxima terça-feira, dia 16, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, deverá incluir na pauta do plenário a apreciação do Processo nº 7/2022, encaminhado pelo Tribunal de Contas do Estado, tratando da prestação de contas do Governo do Pará…

Liderados pelo presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), promotor de justiça Manoel Murrieta, que é paraense, promotores, procuradores, juristas e convidados do Brasil inteiro irão reafirmar o compromisso institucional do Ministério Público e o seu papel…

Curiosidades musicais

A empresa de navegação Lloyd Brasileiro tinha uma linha Buenos Aires – Manaus, com escala obrigatória em Santarém, onde a embarcação permanecia por cerca de 2 dias, para carregamento de madeira, algodão e outros produtos. E, nos navios, havia sempre um conjunto típico que tocava tangos argentinos, constituído de violino, piano, bandoneón – que conhecemos como acordeão ou sanfona.

O maestro Wilson Fonseca gostava de ir a bordo daqueles navios, conduzido por uma catraia, a fim de assistir a execução daquela música, tida como excêntrica na época. Quase sempre obtinha dos músicos uma cópia das partituras, geralmente quando o navio retornava de Manaus, porque não havia a facilidade de fotocópias. Um dia, Isoca resolveu compor também um tango naquele estilo. Não um tango-brasileiro, como assim chamava Ernesto Nazareth para os maxixes que compunha. Era mesmo um tango-argentino, que o Dr. Silvério Sirotheau Corrêa, saudoso advogado santareno, ao viajar num desses navios, teve a satisfação de ouvir o conjunto tocar.

Com Felisbelo Sussuarana houve um fato curioso, em 1936. Isoca costumava remeter-lhe o esquema, inclusive a métrica, para que ele fizesse a letra sobre música já composta, dando-lhe o tema e até o título. Em certa ocasião, o maestro não encontrou o título para um tango e pôs no papel uma simples interrogação. Ele, então, devolveu o material com uma linda letra sob o título de “Interrogação“. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *