Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Cultura popular, Tesouro Humano do Pará

Fotos: Rui Baiano Santana
O projeto de autoria do deputado Edilson Moura(PT) que
registra, define e reconhece como Tesouro Humano do Pará os mestres da cultura
popular foi apresentado oficialmente durante reunião no auditório João
Batista, na Alepa, e será analisado pelo governo que, depois, poderá encaminhá-lo à Assembleia
Legislativa como proposição do Executivo estadual.
Já chamado de Lei dos Mestres, o projeto prevê o pagamento mensal de um
salário mínimo, de forma vitalícia, aos mestres da cultura e incentivo
financeiro aos grupos, a partir de critérios muito bem definidos, para que
passem a transmitir os seus conhecimentos às gerações mais novas. “Esta
remuneração seria um pagamento pela transmissão do conhecimento e, ao mesmo
tempo, ajudaria grande parte desses mestres que hoje enfrentam dificuldades
financeiras
”, explica o deputado Edilson Moura. Outro objetivo “é evitar
que determinadas manifestações da cultura paraense desapareçam com aqueles que
têm o conhecimento amplo daquela manifestação cultural. Vai garantir a
preservação do que é praticado hoje por esses grandes mestres
”.
Mestres de todas as culturas populares, como carimbó, pássaros juninos,
quadrilhas, artesanato, folias de rei, pastorinhas, entre outras, esperam com
ansiedade a aprovação do projeto pela Assembleia Legislativa. O mestre Olarino
dos Santos, de 86 anos, e que há 65 anos dirige o boi Bumbá Caprichoso, do
bairro Castanheira, por exemplo, diz que vai poder planejar as ações de seu
grupo. “A gente sempre aperta o cinto, fica endividado porque nunca sabe
quando vem a ajuda financeira. Agora, com esse projeto, vamos nos preparar
melhor. Com esse dinheiro, vamos investir com planejamento
”, sonha.
A mestra Iracema Oliveira, que coordena o ponto de cultura Frutos do
Pará, em Icoaraci, destaca o projeto como a glória para quem trabalha com a
cultura popular. “A gente às vezes deixa de comer para investir em nossos
grupos. Damos a vida para mantê-los vivos. Esse projeto vai garantir
investimento, sem precisar mexer com nossas economias. A gente merece esse
apoio e esperamos que seja aprovado o mais rápido possível
.”
O projeto de registro de definição dos Tesouros Humanos existe em
diversos estados brasileiros, como Ceará, Bahia, Pernambuco e Rio de Janeiro e
já vem sendo amplamente debatido com os mestres de todas as regiões e
municípios do Pará desde 2010, quando Edilson Moura ainda era secretário de
Cultura no governo de Ana Júlia Carepa. A proposta foi apresentada durante um
seminário e agora é encaminhada ao estado como Projeto de Lei.

*Com informações da assessoria do deputado Edilson Moura.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *