Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Crianças em condições degradantes

Em 2013, o grupo especial de fiscalização móvel do Ministério do Trabalho e Emprego flagrou 29 pessoas em condições semelhantes às de escravos em Medicilândia(PA). Doze delas tinham entre 5 e 16 anos e três eram adolescentes menores de 18 anos e trabalhavam no manuseio e colheita do cacau. Usavam facões, podões e outros instrumentos cortantes, e eram obrigados diariamente a  movimentos repetitivos e a carregar cargas superiores a 30 quilos. Além das condições degradantes eram impedidos de sair do lugar e não tinham direitos trabalhistas. Agora, um comerciante e um agricultor foram denunciados pelo MPF pela prática.

As vítimas roçavam, faziam o desbrotamento, retirada de árvores caídas, colheita, secagem, ensacamento, adubação, aplicação de inseticidas e herbicidas, despiolhamento, poda e entrega da colheita. Não tinham acesso a água potável e a condições sanitárias mínimas, e quando propriedades vizinhas usavam agrotóxicos sofriam diarreia e dores de cabeça. 

A foto é do documentário “O lado negro do chocolate”, que pode ser assistido aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *