Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Equipes da Divisão de Homicídios e da Delegacia de Repressão de Furtos e Roubos estavam monitorando há um mês o grupo criminoso que planejava roubar em torno de R$ 1 milhão no caixa eletrônico do Banpará localizado dentro do Hospital…

Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

Coragem e determinação

O juiz do trabalho substituto Harley Wanzeller Couto da Rocha, no exercício da titularidade da 9ª Vara do Trabalho de Belém, ordenou a prisão dos responsáveis legais do INSS, em virtude do descumprimento de ordem judicial, nos autos do Processo nº nº 1302-2007-009–08-3. Nesta ação, um funcionário de caráter temporário que prestava serviço para o Governo do Estado do Pará pleiteia indenização por prejuízos causados à saúde, no desempenho de suas atribuições.
Carecendo de perícia para a resolução do caso, o juiz do trabalho substituto, Eduardo Ezon Ferraz, em dezembro de 2007, oficiou ao INSS solicitando o trabalho técnico de um perito, fundamental para a instrução do processo, em virtude do Estado não poder arcar com os custos de uma perícia, como ente público, e o reclamante não ter condições financeiras para tal procedimento. O INSS, alegando grande volume de trabalho e que a competência do órgão é restrita ao atendimento aos segurados, não demonstrou interesse em atender o pleito. Em 2008, o juízo da 9ª VTB ratificou a solicitação da perícia por várias ocasiões. Em 12 de maio do ano, a juíza substituta, Giovanna Corrêa Dourado, considerando a inércia do INSS e o não atendimento da solicitação judicial, designou a data da perícia e que, em caso de descumprimento, o órgão estaria incorrendo em crime de desobediência, sujeito a expedição de mandado de prisão contra os responsáveis legais. Ontem, o juiz Harley Wanzeller Couto da Rocha deu cumprimento ao despacho da juíza em virtude do descumprimento da ordem judicial, entendendo que o crime foi
configurado.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *