Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Contaminação por mercúrio em Santarém

Estudo da bióloga Heloísa de Moura Meneses, em sua tese de doutorado na Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), expõe a gravidade da exposição ao mercúrio. Durante décadas o garimpo era o principal foco, mas agora os desmatamentos, queimadas e a construção de hidrelétricas multiplicam o perigo. Altos níveis de mercúrio no organismo humano podem causar diferentes tipos de danos à saúde. O sistema nervoso central é um dos mais afetados, mas fígado, rins, os sistemas cardiovascular, gastrointestinal e imunológico também são prejudicados. Um dos efeitos mais graves é sobre mulheres grávidas e seus bebês. 

A bióloga examinou os níveis de concentração de mercúrio no sangue de pessoas que vivem na região de Santarém através da ingestão de peixes contaminados com a substância. 

Os solos amazônicos são naturalmente ricos em mercúrio. Durante incêndios florestais, por exemplo, o metal é liberado na atmosfera. Com a ação do vento ou através da erosão, favorecida pelo desmatamento, a substância contamina águas e vegetações dos rios e se transforma em metilmercúrio, uma das formas mais nocivas. Através da cadeia alimentar, atinge os peixes e, consequentemente, os seres humanos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *