Evellyn Vitória Souza Freitas nasceu no chão do banheiro do Hospital Municipal de Portel, município do arquipélago do Marajó (PA), no dia 28 de julho de 2021, por volta das 8h da manhã, prematura de 28 semanas e dois dias, pesando 1Kg e 39…

Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Equipes da Divisão de Homicídios e da Delegacia de Repressão de Furtos e Roubos estavam monitorando há um mês o grupo criminoso que planejava roubar em torno de R$ 1 milhão no caixa eletrônico do Banpará localizado dentro do Hospital…

Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

Contaminação por mercúrio em Santarém

Estudo da bióloga Heloísa de Moura Meneses, em sua tese de doutorado na Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), expõe a gravidade da exposição ao mercúrio. Durante décadas o garimpo era o principal foco, mas agora os desmatamentos, queimadas e a construção de hidrelétricas multiplicam o perigo. Altos níveis de mercúrio no organismo humano podem causar diferentes tipos de danos à saúde. O sistema nervoso central é um dos mais afetados, mas fígado, rins, os sistemas cardiovascular, gastrointestinal e imunológico também são prejudicados. Um dos efeitos mais graves é sobre mulheres grávidas e seus bebês. 

A bióloga examinou os níveis de concentração de mercúrio no sangue de pessoas que vivem na região de Santarém através da ingestão de peixes contaminados com a substância. 

Os solos amazônicos são naturalmente ricos em mercúrio. Durante incêndios florestais, por exemplo, o metal é liberado na atmosfera. Com a ação do vento ou através da erosão, favorecida pelo desmatamento, a substância contamina águas e vegetações dos rios e se transforma em metilmercúrio, uma das formas mais nocivas. Através da cadeia alimentar, atinge os peixes e, consequentemente, os seres humanos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *