Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Contação de histórias

Histórias de medos fabulosos (cobra-grande, homem-do-saco, mulher-de-branco, mãe-d’água, jurupari, lobisomem, espalha-nau, chibuí…), histórias para enganar a morte, histórias de diabo logrado, histórias de má-criação e esperteza, histórias de quem escreve, histórias de ilha (no Marajó, um navio fantasmagórico saiu das bocas de ilhéus para os contos visagentos de Walcyr Monteiro), enfim, histórias para adultos e crianças, sem idade nem cidade, a personagem Livramento conta, e fazem a delícia de quem as lê ou ouve. Parauara de Belém, moradora do Rio de Janeiro desde 1985, a jornalista e escritora Conceição Campos, criadora da personagem, desde 2008 fez pouso em Paquetá. Finalista do Prêmio Jabuti em 2010 com “A letra brasileira de Paulo César Pinheiro”, vencedora da Bolsa Funarte Criação Literária 2010 com “À luz do candeeiro – contos de assombrações amazônicas e de medos fabulosos”, ganhadora do “Prêmio Carmem Portinho 1992 com “A fusão das linguagens em Gabriel Garcia Márquez”, Conceição publicou, ainda, “Um rei em Paquetá” (2008), que virou musical, com J. Guilherme Ripper, “Histórias da Ilha” (2010), musical com Edino Krieger, e “Lendas de Paquetá” (2011), cantata com Villani-Côrtes.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *