Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Conflitos na Flona de Saracá-Taquera

Instituída unidade de conservação em 1989, numa imensidão que abrange os municípios de Oriximimá, Terra Santa e Faro, no estado do Pará, a Floresta Nacional de Saracá-Taquera está parcialmente sobreposta a territórios de comunidades quilombolas e ribeirinhas que já estavam lá bem antes disso. Mas essas populações tradicionais são relegadas a área diminuta (2,49%)  e seus direitos desconsiderados no Plano de Manejo que rege o uso da Flona, enquanto a maior parte (69%) é concedida à mineração de bauxita – cuja planta industrial inclui 24 barragens, o maior complexo de mineração da Amazônia -, e à exploração de três grandes madeireiras.

Fruto de estudo da pesquisadora paraense Ítala Nepomuceno, mestra em Ciências Ambientais pela Universidade Federal do Oeste do Pará e doutoranda em Antropologia Social na Universidade Federal do Amazonas, o livro “Floresta Nacional de Saracá-Taquera: a quem se destina? Conflitos entre uso tradicional e exploração empresarial”, que acaba de ser publicado na Série Estudos da Comissão Pró-Índio de São Paulo, aponta as desigualdades locais. E questiona a quem deve ser destinado o usufruto da terra, das águas e dos recursos da biodiversidade.

Em 58 páginas, a obra critica o atual Plano de Manejo da Flona, evidenciando como o documento expressa uma visão negativa e preconceituosa das comunidades quilombolas e ribeirinhas, sem a devida valoração de seus conhecimentos e práticas tradicionais de uso da floresta. E propõe a ampliação do debate em torno da revisão desse Plano pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Floresta Nacional de Saracá-Taquera: a quem se destina? Conflitos entre uso tradicional e exploração empresarial está disponível para download gratuito. É só clicar no link do nome.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *