Desde sua origem, Marabá (PA) sofre anualmente enchentes dos rios Tocantins e Itacaiúnas e a população que reside em áreas de risco fica em situação de vulnerabilidade. Todos os anos a defesa civil estadual e municipal planeja, monitora e prepara…

Em noite de gala na próxima segunda-feira, 24, às 19h, no Teatro Maria Sylvia Nunes, em Belém, o governador Helder Barbalho vai lançar o 110º Campeonato Paraense de Futebol, o Parazão Banpará 2022, com transmissão ao vivo pela TV e…

Todos os órgãos de segurança estão trabalhando de forma integrada para dar suporte à população em face da destruição do pilar central e iminente desabamento do vão da ponte do Outeiro. O Centro Integrado de Comando e Controle da Segup…

O Procurador-Geral de Justiça do Estado do Pará, César Mattar Jr., recebeu em audiência o advogado Arnaldo Jordy e uma comissão integrada por Simone Pereira, da Universidade Federal do Pará; Marcelo Alves, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e…

Conflitos na Flona de Saracá-Taquera

Instituída unidade de conservação em 1989, numa imensidão que abrange os municípios de Oriximimá, Terra Santa e Faro, no estado do Pará, a Floresta Nacional de Saracá-Taquera está parcialmente sobreposta a territórios de comunidades quilombolas e ribeirinhas que já estavam lá bem antes disso. Mas essas populações tradicionais são relegadas a área diminuta (2,49%)  e seus direitos desconsiderados no Plano de Manejo que rege o uso da Flona, enquanto a maior parte (69%) é concedida à mineração de bauxita – cuja planta industrial inclui 24 barragens, o maior complexo de mineração da Amazônia -, e à exploração de três grandes madeireiras.

Fruto de estudo da pesquisadora paraense Ítala Nepomuceno, mestra em Ciências Ambientais pela Universidade Federal do Oeste do Pará e doutoranda em Antropologia Social na Universidade Federal do Amazonas, o livro “Floresta Nacional de Saracá-Taquera: a quem se destina? Conflitos entre uso tradicional e exploração empresarial”, que acaba de ser publicado na Série Estudos da Comissão Pró-Índio de São Paulo, aponta as desigualdades locais. E questiona a quem deve ser destinado o usufruto da terra, das águas e dos recursos da biodiversidade.

Em 58 páginas, a obra critica o atual Plano de Manejo da Flona, evidenciando como o documento expressa uma visão negativa e preconceituosa das comunidades quilombolas e ribeirinhas, sem a devida valoração de seus conhecimentos e práticas tradicionais de uso da floresta. E propõe a ampliação do debate em torno da revisão desse Plano pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Floresta Nacional de Saracá-Taquera: a quem se destina? Conflitos entre uso tradicional e exploração empresarial está disponível para download gratuito. É só clicar no link do nome.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *