A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Conflitos na Flona de Saracá-Taquera

Instituída unidade de conservação em 1989, numa imensidão que abrange os municípios de Oriximimá, Terra Santa e Faro, no estado do Pará, a Floresta Nacional de Saracá-Taquera está parcialmente sobreposta a territórios de comunidades quilombolas e ribeirinhas que já estavam lá bem antes disso. Mas essas populações tradicionais são relegadas a área diminuta (2,49%)  e seus direitos desconsiderados no Plano de Manejo que rege o uso da Flona, enquanto a maior parte (69%) é concedida à mineração de bauxita – cuja planta industrial inclui 24 barragens, o maior complexo de mineração da Amazônia -, e à exploração de três grandes madeireiras.

Fruto de estudo da pesquisadora paraense Ítala Nepomuceno, mestra em Ciências Ambientais pela Universidade Federal do Oeste do Pará e doutoranda em Antropologia Social na Universidade Federal do Amazonas, o livro “Floresta Nacional de Saracá-Taquera: a quem se destina? Conflitos entre uso tradicional e exploração empresarial”, que acaba de ser publicado na Série Estudos da Comissão Pró-Índio de São Paulo, aponta as desigualdades locais. E questiona a quem deve ser destinado o usufruto da terra, das águas e dos recursos da biodiversidade.

Em 58 páginas, a obra critica o atual Plano de Manejo da Flona, evidenciando como o documento expressa uma visão negativa e preconceituosa das comunidades quilombolas e ribeirinhas, sem a devida valoração de seus conhecimentos e práticas tradicionais de uso da floresta. E propõe a ampliação do debate em torno da revisão desse Plano pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Floresta Nacional de Saracá-Taquera: a quem se destina? Conflitos entre uso tradicional e exploração empresarial está disponível para download gratuito. É só clicar no link do nome.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *