Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Comida, diversão e arte





O chef  Raphael
Despirite(que começou aos 14, como ajudante de cozinha do Marcel de São Paulo,
de sua família, estudou e se formou na École Ritz Escoffier, escola de
gastronomia do hotel Ritz de Paris e, como pesquisador inquieto e cozinheiro
apaixonado, conheceu o chef paraense
Paulo Martins, o grande e saudoso chef embaixador
do Pará que lhe apresentou cheiros e sabores inigualáveis) criou uma
experiência singular,  que reúne
gastronomia e arte em lugares inusitados, o “Fechado para jantar”, já na sétima
edição, que tem como chef convidado
Thomas Troisgros(Olympe/CT Brasserie/CT Boucherie/CT Trattorie, do Rio), quarta
geração de um clã de chefs, filho de
Claude Troisgrois.
A
proposta é que todos se sintam numa reunião em casa de amigos, podendo
levantar, circular no ambiente, trocar de lugar com outros nas demais mesas, conversar
com os chefs e acompanhar a elaboração
dos pratos, dançar. Fui conferir e lá, por sinal, havia pelo menos meia dúzia
de paraenses.
Logo
na chegada, os convidados (todos pagam antecipadamente, é bom dizer logo) são
informados de que podem pegar as cervejas premium espalhadas estrategicamente
pelo espaço, além dos drinks preparados pelo bartender. O primeiro petisco já
sinaliza as influências parauaras: biju de queijo parmesão, finíssimo e
crocante.
Mas
vamos ao que interessa aos amantes dos temperos: o menu.  Para começar, foram servidos pães artesanais
St. Marche, manteiga noisette e manteiga tradicional com flor de sal, terrine
de legumes grelhados e queijo de cabra. Em seguida, salmão, melancia, gengibre
e laranja confit; depois gnocchi dourado de mandioquinhas, creme de grana
padano e azeite de trufas brancas. Para terminar, leitão crocante, farofa de
nibs de chocolate, maçã fuji e caramelo de uva. Na sobremesa, bolo de chocolate
e café. Tudo com a harmonização dos vinhos e ao som de uma banda de blues.  Uma delícia!
Quem
quiser experimentar anote aí a agenda: o evento fica até o fim do mês  no espaço Brastemp one table da Casa Cor São
Paulo; em julho, vai para o Rio; em agosto, São Paulo e Brasília; em setembro,
Fortaleza; em outubro, São Paulo e Goiânia; e em novembro, Recife. 

Raphael Despirite foi o primeiro convidado do chef paraense Thiago Castanho em seu Remanso do Bosque. E nem preciso dizer que está louco para dar pinta de novo e fazer comidinhas em Belém do Pará, celeiro de dez entre dez dos melhores cozinheiros do mundo.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *