O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Evellyn Vitória Souza Freitas nasceu no chão do banheiro do Hospital Municipal de Portel, município do arquipélago do Marajó (PA), no dia 28 de julho de 2021, por volta das 8h da manhã, prematura de 28 semanas e dois dias, pesando 1Kg e 39…

Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

CNMP absolve promotor do Pará

O Plenário do Conselho Nacional do Ministério Público julgou improcedente o Processo Administrativo Disciplinar nº 1266/2012-11 e absolveu o promotor de Justiça Waldir Macieira, que denunciou irregularidades na nomeação de promotora de Justiça, por suposta influência do ex-presidente da Alepa, Domingos Juvenil, junto à cúpula do MPE-PA na época – a nomeação violava decisão do STF na Reclamação (Rcl) 4906. Em seu voto, seguido pela maioria, o relator, conselheiro Walter Agra, considerou que a denúncia, anônima, foi entregue ao MPF-PA, mas depois o promotor peticionou ao STF pedindo providências, assinando e se identificando. Ponderou também que, apesar de não ter assinado a peça,  Waldir Macieira não só levou pessoalmente o documento informando a irregularidade, conforme reunião prévia com o chefe do MPF-PA e o titular da Promotoria de Improbidade Administrativa do MPE-PA, como também levou a questão ao conhecimento do STF e, assim, cumpriu a sua obrigação integralmente. 

O relator enfatizou, ainda, que a Lei 8112/90, em seu artigo 126-A, estabelece que “nenhum servidor poderá ser responsabilizado civil, penal ou administrativamente por dar ciência à autoridade superior ou, quando houver suspeita de envolvimento desta, a outra autoridade competente para apuração de informação concernente à prática de crimes de improbidade de que tenha conhecimento”. 

Sábia decisão do CNJ. O promotor Waldir Macieira é um dos mais honrados membros do MPE-PA e ao longo de sua inatacável carreira tem dado bom exemplo de dedicação à sua missão institucional, principalmente na Promotoria de Justiça da Defesa da Pessoa com Deficiência e do Idoso, da qual é titular e pela qual é reconhecido nacionalmente.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *