O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Clamor contra o trabalho escravo

O decano do TRT8 e primeiro magistrado do País a
sentenciar contra o trabalho escravo, o desembargador Vicente Malheiros da Fonseca, acaba de compor
o hino-marcha “Clamor contra o trabalho
escravo” (Canto e Piano; e Canto, Quinteto de Metais,
Percussão e Piano), que tem letra do advogado Célio Simões.
Célio se inspirou na obra do geógrafo obidense Otávio
do Canto, intitulada “Várzea e Varzeiros da Amazônia”, que se referia à
vergonhosa exploração dos juteiros que produziam e entregavam a fibra por
preços quase simbólicos em toda a região do Baixo Amazonas para seus patrões e
permaneciam em débito: 
“…O controle do sistema de aviamento se
processava
 pela realimentação constante das dívidas ao longo dos anos e da aparente prestação de
favores do comerciante ao seu freguês. Dentro dessa lógica, às vistas do
juticultor, o patrão não era um explorador do seu trabalho e de seus
companheiros, mas um amigo a quem se devia favores e lealdade e que, portanto,
merecia a confiança para ser padrinho de um de seus filhos. Dessa maneira,
patrão virava compadre, inclusive com a possibilidade de se apropriar do
trabalho do afilhado e seus frutos”. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *