A 27ª Unidade de Conservação do Estado do Pará abrange os municípios de Jacareacanga e Novo Progresso, no sudoeste paraense. O Decreto nº 1.944/2021 foi assinado pelo governador Helder Barbalho na quinta-feira, 21, e publicado ontem (22) no Diário Oficial…

O Atlas da Dívida dos Estados Brasileiros, lançado no Fórum Internacional Tributário pela Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital, aponta que a dívida ativa das empresas com os entes federados soma estratosféricos R$ 896,2 bilhões, significando 13,18% do PIB…

Ao abrir oficialmente o Forma Alepa/Elepa, o presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, destacou a importância do trabalho que vem sendo executado pela Escola do Legislativo, treinando, qualificando e atualizando gestores, vereadores e servidores públicos, que dessa forma…

Em Itupiranga, força-tarefa do Ministério Público do Trabalho no Pará e Amapá, Auditoria Fiscal do Trabalho, Defensoria Pública da União e Polícia Federal resgatou sete trabalhadores em condições análogas às de escravos, em duas fazendas no sudeste paraense, e prendeu…

Cirurgião plástico e anestesista vão a júri popular

Em pleno Dia do
Médico, a 2ª Câmara Criminal Isolada, à unanimidade, decidiu que o cirurgião plástico
Alexandre Calandrini e a anestesista Simone Valéria Bentes Chaves vão a júri
popular acusados de homicídio doloso qualificado, pela morte de Roberta Pires
Texeira de Miranda, em setembro de 2005, após quatro cirurgias plásticas. O
cirurgião-assistente, Arlen Jones Cardoso Tavares, foi impronunciado por falta
de provas.


O voto do relator,
desembargador Mílton Nobre, foi acompanhado pelos demais integrantes da Câmara,
desembargadores Rômulo Nunes e Ronaldo Valle, e reformada a decisão da 2ª Vara do Tribunal do
Júri da Capital, que havia desclassificado o crime de homicídio eventual para
homicídio culposo. O relator ressaltou que há vários indícios de que os réus
tenham agido com dolo, já que, com a paciente anêmica, conforme atestaram
exames pré-operatórios, teriam assumido o risco de produzir o resultado morte
ao procederem, de uma só vez, correção de cicatriz, mamoplastia, lipoaspiração
e enxerto de gordura no glúteo. Ainda de acordo com os autos, a paciente teria
tido seu estado de saúde agravado após ter recebido transfusão de sangue com
tipo sanguíneo equivocado, além de ter ocorrido omissão no pós-operatório. Para
embasar seu convencimento, o desembargador Mílton Nobre levou em conta provas
documentais e testemunhais.
 


Atuou na sessão, pelo
MPE-PA, o procurador de Justiça Sérgio Tibúrcio. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *