Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Circo de horrores no Ministério

Os cidadãos brasileiros assistem, estupefatos e indignados, à escolha da nova ministra do Trabalho, Cristiane Brasil (PTB),  condenada no ano passado pelo Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região por irregularidades trabalhistas (jornada exaustiva de 15h diárias e sem CTPS assinada). No lugar dela, em um Congresso no qual pelo menos metade responde a processos administrativos, criminais e cíveis, vai ficar o suplente Nelson Nahim (PSD-RJ), irmão do ex-governador Anthony Garotinho, condenado também em 2016 a 12 anos de prisão por exploração sexual de crianças e adolescentes no tristemente famoso “caso das meninas de Guarus”. As vítimas, com idade entre 8 e 17 anos, eram mantidas em uma casa com as portas e janelas trancadas, sempre sob vigília armada, obrigadas a consumir drogas e a fazer até trinta programas por dia, conforme denúncia do Ministério Público acatada pelo Judiciário. Vergonhoso. Revoltante!


O presidente Michel Temer, aos 77 anos, está rasgando sua própria biografia. De constitucionalista respeitado vai passar à História como aquele que usou indulto de Natal para  “dar concretude à situação de impunidade, em especial aos denominados ‘crimes de colarinho branco’, desguarnecendo o erário e a sociedade de providências legais voltadas a coibir a atuação deletéria de sujeitos descompromissados com valores éticos e com o interesse público garantidores pela integridade do sistema jurídico”, isto nas palavras de ninguém menos que a presidente do STF, ministra Carmen Lúcia.


O Ministério de Temer é um circo de horrores, onde já pontificou Geddel Vieira Lima, aquele que tentou coagir o então ministro da Cultura a dar lustro de legalidade à especulação imobiliária e que também já se firmou na memória nacional de forma repulsiva com as suas malas de R$51 milhões. 


Não menos emblemático é o fato de que o ministro da Justiça e da Segurança Pública Torquato Jardim, jurista admirado e ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral, afirmou que “comandantes de batalhão são sócios do crime organizado no Rio”, que “o comando da PM decorre de acertos entre um deputado estadual e o crime organizado”, e que “o governador Luiz Fernando Pezão e o secretário de Estado da Segurança Pública, Roberto Sá, não têm controle sobre a Polícia Militar”. O corajoso ministro está sendo alvo de processo por suas denúncias, em ação perante o STF cujo relator é o ministro do Edson Fachin. Porém não se sabe de qualquer medida para apurar a veracidade de suas palavras.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *