Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

Cidadania e civilidade

Hoje, exatamente às 8 horas, acordei sobressaltada por um carro som que, em altíssimos decibéis, convocava a população para um ato público no dia do julgamento do assassino de Nirvana Evangelista. Entendo e respeito a dor da família, apóio a mobilização para que o crime não fique impune, partilho da indignação e revolta por tantas vidas de mulheres ceifadas por namorados ou maridos que se acham donos de suas parceiras. Mas é também um ato de violência submeter quem vive dentro da lei e da ética ao choque de despertar com tal mensagem, em volume inaceitável. Aproveito este momento para propor uma reflexão a marketeiros, políticos, comerciantes e exibicionistas que torturam os outros com seus jingles, discursos, mensagens, anúncios e “músicas” (!) em volume insuportável ao ouvido humano. Percebam que esse tipo de ação causa revolta e não adesão. Respeitem o direito dos que trabalham a semana inteira e nem no domingo conseguem dormir sem os limites do horário de expediente. Pensem em quantos bebês choram, assustados, em quantos idosos são arrancados de seus sonhos, em quantos doentes que, além da dor que os consome, são submetidos a mais uma aflição. Quem, verdadeiramente, quer o desenvolvimento social e humano, deve começar observando os direitos de cidadania e civilidade.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *