O presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, foi aclamado ontem por servidores e deputados após a sessão plenária, que se estendeu até as 15h, ao entregar os espaços reformados que já estão prontos para utilização. É que, em…

O delegado de polícia de Oriximiná, Edmílson Faro, prendeu o vigia Ailton Ferreira da Silva a pedido do presidente da Câmara Municipal, vereador Marcelo Andrade Sarubi (PSDB) e do vereador Márcio Canto (PTB) e, na presença de ambos e do…

Primeira do Brasil totalmente focada na educação para o trânsito, a biblioteca do Detran-PA foi criada em 1998 e começou direcionada ao público interno, funcionando no antigo prédio do órgão, ao lado da Ceasa. Em 1º de novembro de 1999,…

A Prefeitura de Belém vai revitalizar dezesseis imóveis do município que estão há anos em situação de abandono. Além do resgate do patrimônio histórico, artístico e cultural, a intenção é reduzir gastos com aluguéis de prédios que abrigam órgãos municipais.…

Chuva inspira joias e acessórios

No Pará, a chuva inspira poemas, músicas, textos e já faz parte do dialeto parauara: quando se escuta “lá vem o toró” ela vem “de com força”, e todos correm para se abrigar. Todo paraense tem alguma história com a chuva, seja na infância brincando na rua ou momento inusitado de volta ao trabalho. “Toró” foi o termo escolhido para intitular a nova coleção de joias e acessórios da designer Altairley Mendonça, lançada ontem no Espaço Cultural São José Liberto, em Belém. São peças com representações simbólicas do fenômeno da chuva, sombrinhas, nuvens, as cores do céu antes e pós-chuva por meio de pequenos objetos em pingentes, brincos, colares, anéis e bolsas. Uma rara oportunidade de contemplar a importância da criatividade para gerar uma reflexão também sobre as questões climáticas e sua relação com a cultura na Amazônia.

A exposição remete a uma das características mais marcantes da cidade, a chuva forte incorporada ao cotidiano local, como símbolo de pujança e fartura. A designer paraense Altairley Mendonça participa do programa Polo Joalheiro do Pará. Graduada pela Universidade do Estado do Pará e pós-graduada pelo Instituto Federal do Pará (IFPA), ela expressa em suas vivências criativas a cultura material e imaterial amazônica e em sua primeira exposição solo elegeu um recorte dessa relação dos paraenses, em diferentes memórias afetivas. 

A exposição “Toró” segue até o dia 31 de julho, de terça-feira a sábado das 10h às 18h, e aos domingos das 10h às 14h. O acesso é livre e gratuito.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *