A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Chibatada jurídica

O promotor de justiça convocado para atuar nas Câmaras Cíveis, João Gualberto dos Santos Silva, deu parecer contrário ao Agravo impetrado por Duciomar Costa, prefeito de Belém, e Helder de Paula Mello, coordenador-geral do Fundo Municipal Ver-o-Sol, nos autos de ação civil pública por improbidade administrativa –  contrataram ilegalmente 40 servidores temporários há mais de oito anos, sem mover uma palha no sentido de concurso público – que tramita na Vara da Fazenda Pública, cuja titular é a juíza Cynthia Zanlochi Vieira.
O Tribunal de Contas dos Municípios negou registro aos contratos por entender que não estavam preenchidos os requisitos de excepcionalidade e temporariedade: os temporários estavam exercendo funções permanentes e efetivas no município de Belém.
Duciomar alegou – vejam só! – que não pode figurar no polo passivo, por ser agente político e não estar sujeito à lei de improbidade. (!)
O promotor deu uma boa chibatada jurídica: “O entendimento atualmente predominante no Tribunal Superior de Justiça é no sentido de que a lei de improbidade se aplica aos prefeitos municipais devido a estes não estarem sujeitos às disposições da Lei nº 1.079/50, conforme notícia publicada no site do STJ em 16 de setembro de 2011”.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *