Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Centro Gastronômico: apoio do Peabiru

Pato no tucupi. Foto de Cristino Martins
O Instituto Peabiru, que trabalha com as cadeias de valor do açaí, da andiroba, do mel de abelhas nativas e do ecoturismo de base comunitária e tem como regiões prioritárias a Belém Ribeirinha – onde são atendidas, com assistência técnica e extensão rural, mais de mil famílias de 11 assentamentos agroextrativistas de Belém e Ananindeua -, o Marajó e o Salgado, manifestou apoio à criação do Centro Global de Gastronomia e Biodiversidade que o Governo do Pará, via Secult, pretende inaugurar em agosto de 2016 na Casa das 11 Janelas


João Meirelles Filho, diretor geral do Instituto Peabiru, entende que é possível trabalhar ainda mais o fortalecimento da organização social e da valorização da sociobiodiversidade da região. “Esta é a nossa missão. Sempre iremos apoiar iniciativas que ofereçam a chance para que as populações extrativistas e os agricultores familiares da Amazônia sejam protagonistas de sua realidade. Por isso consideramos a criação do Centro Global de Gastronomia e Biodiversidade uma iniciativa louvável”, avalia, emendando que “queremos dizer que o Centro dará maior visibilidade e reconhecimento, como a valorização dos saberes e fazeres ribeirinhos. Ao trabalharmos nesta linha, incentivamos produtos e serviços que podem ser melhores, mais baratos, seguros, de boa qualidade e que geram emprego e renda e qualidade de vida com sustentabilidade para comunidades locais”. 


Para a ong, a inciativa só faz sentido se funcionar em estreita cooperação com associações locais, sindicatos, colônias de pesca e movimentos sociais, além de entidades representativas dos diversos setores, como a Abrasel, Associação Brasileira de Bares e Restaurantes.
“Nossa preocupação é com os direitos básicos e o acesso a políticas públicas de povos e comunidades tradicionais e agricultura familiar. Também acreditamos que o correto manejo dos produtos florestais e dos rios ofereça à Grande Belém uma paisagem melhor conservada, com maior biodiversidade e respeito aos serviços ambientais, como o acesso a água e uma metrópole com um clima melhor”, diz João Meirelles, que reforça ainda a oportunidade de se compreender os conhecimentos tradicionais associados à biodiversidade e valorizar este fato em cada prato. 



O Instituto Peabiru é parceiro há 10 anos do Movimento das Mulheres das Ilhas de Belém e de associações comunitárias do entorno, como Boa Vista do Acará, os quilombos do Acará e os assentamentos de Mosqueiro, Santa Bárbara e outras comunidades da região metropolitana de Belém, e defende que todas estas organizações devem ser incluídas – ouvidas e ter voz – na iniciativa do Centro, com prioridade para a mulher e o jovem. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *