Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Catamarã afundou na baía do Marajó

O catamarã Bom Jesus IV, que faz o trecho Belém-Ponta de Pedras, no arquipélago do Marajó, naufragou hoje por volta de 17h, em frente a Vila do Conde. O casco rachou, entrou água na embarcação, que adernou e começou logo a afundar. Felizmente todos os passageiros se salvaram. Colocaram coletes salva-vidas e subiram para o toldo e foram socorridos a tempo por canoas, rabetas e po-po-pôs de ribeirinhos e por uma balsa da empresa Salmista.

Era uma tragédia anunciada. Há muitos anos vem sendo denunciada pelos usuários a situação precária dos catamarãs, navios e lanchas da empresa Bom Jesus, que rotineiramente ficam à deriva em plena baía do Marajó, para desespero de seus passageiros. Desconfortável e inseguro, até chovia dentro do Bom Jesus IV, que era cheio de goteiras. Conforme depoimentos de passageiros, centenas de vezes procuraram o Ministério Público do Estado do Pará, a Arcon – Agência de Regulação e Controle e a Prefeitura de Ponta de Pedras pedindo providências.

Por 170 vezes as empresas Bom Jesus e Marajó Turismo foram autuadas por violarem as normas de segurança de navegação, sem qualquer consequência prática. Sequer a manutenção é feita pelas empresas, que têm verdadeiro monopólio em todo o arquipélago. O dono é o empresário de navegação Luiz Rebelo, ex-prefeito de Breves, ex-deputado estadual e pai do deputado Luth Rebelo.

Cabe à Capitania dos Portos da Amazônia Oriental, da Marinha do Brasil, fiscalizar a segurança da navegação. A Arcon deveria conferir a documentação, vistoriar as embarcações e encaminhar as denúncias de excesso de passageiros e de desconformidades com as normas do transporte hidroviário à Capitania dos Portos. Mas os usuários se queixam de que nem os números de telefone e e-mail para denúncias são divulgados. Quase todo dia há barcos à deriva e naufrágios, nos quais as pessoas perdem seus pertences e não são indenizadas. Muitos já perderam suas vidas, por vezes famílias inteiras. Os sobreviventes ficam com sequelas psicológicas para sempre. E ninguém faz algo para por um fim a esse drama. As vítimas desconhecem seus mais básicos direitos. Os órgãos ditos responsáveis permanecem inertes. Sequer o número de vítimas é computado, não existem estatísticas no setor. Na maioria das vezes o nome da empresa responsável é omitido. O Ministério Público deveria agir. Assistam aos vídeos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *