0

“Em nome de Catharina e de todas as mulheres do estado do Pará estamos exigindo providências ao estado paraense”, destacou a deputada estadual Lívia Duarte (PSOL) na tribuna da Assembleia Legislativa, na sessão desta quarta-feira, 13. A parlamentar se refere ao chocante caso da estudante de enfermagem Catharina, de 24 anos, baleada pelo sargento da Polícia Militar Arthur Santos Júnior no último dia 3, em uma parada de ônibus de Belém, ao resistir a uma abordagem violenta do agente público, registrada por câmera de vigilância. Lívia protocolou dois requerimentos cobrando informações da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social e do Comando da Polícia Militar sobre o caso, inclusive exigindo a exclusão do agressor das fileiras da corporação. Em seguida, ela reuniu com familiares da vítima na Alepa, na condição de vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos. 

“Me solidarizo profundamente, como mãe e irmã que sou. Mas isso não basta! Estamos aqui para exigir que o Estado dê resposta à Catharina e a tantas Catharinas que são violentadas cotidianamente. Chega! Feminicídio não! Não aceitamos ser violentadas, não aceitamos que nenhuma mulher durma no estado do Pará sem saber se acorda no outro dia. Vamos adiante”, disse Lívia Duarte.

Catharina foi transferida do Hospital de Pronto Socorro Municipal Mártio Pinotti (PSM da 14) para outra unidade hospitalar. Ela foi submetida a uma cirurgia, na qual perdeu um pedaço do intestino e terá que fazer outra operação delicada.

Também participaram da reunião com familiares de Catharina a deputada Paula Titan (MDB), da Procuradoria da Mulher da Alepa; a vereadora Gizelle Freitas, do mandato coletivo Bancada de Mulheres Amazônidas (PSOL), pela Procuradoria da Mulher da Câmara Municipal de Belém, e representantes das Frentes Feministas de Belém e de Ananindeua. A família da vítima relatou que foi abordada por vários policiais no hospital, que ameaçavam prender Catharina, acusando-a de tentar assaltar o sargento Arthur.

O grupo deliberou agendar uma audiência conjunta com a Segup, a Delegacia Geral de Polícia Civil, o comando da PM, a Secretaria de Estadual de Direitos Humanos (Seirdh), Procuradorias da Mulher, Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil Seção Pará (OAB-PA), Comissão das Mulheres e Advogadas e Conselho Estadual de Segurança Pública (Consep) para tratar da violência sofrida por Catharina e das sanções impostas ao PM.

Além disso, será elaborado requerimento conjunto das Procuradorias pedindo providências quanto ao caso e quanto à truculência dos policiais com a vítima e com a família depois do atentado, bem como a garantia de apoio psicossocial, de proteção para a vítima e sua família e a possível inclusão no Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos.

“É preciso dar nome para o que realmente aconteceu com Catharina: uma tentativa de feminicídio praticada por um agente do estado”, observa a deputada nesses documentos. “Se Catharina não tivesse tentado se defender, provavelmente seria mais uma vítima do machismo e do sistema patriarcal que estrutura a sociedade. Andar sozinha pela rua significa o medo de ser assediada, ameaçada ou violentada. As mulheres não têm plenitude de direitos porque não têm uma vivência plena e segura do espaço público”, continua os requerimentos. 

“O caso Catharina nos lembra, uma vez mais, o quanto uma Corregedoria fraca e uma gestão refém de uma instituição é uma combinação perigosa para a população, especialmente para as mulheres. Não é o primeiro caso e tememos que não seja o último. A Polícia Militar precisa passar por uma revisão institucional urgente, e no caso de Catharina a exclusão do agressor dos quadros da PMPA é medida que se impõe de forma absolutamente urgente e necessária”, pugna a deputada nos requerimentos.

Lívia solicita que a Segup e o Comando da PM enviem à Alepa relato formal sobre as iniciativas e providências tomadas no caso da estudante Catharina, bem como informem quais procedimentos legais e administrativos estão sendo tomados para a efetiva apuração e responsabilização rigorosa do sargento abusador. Ainda, a deputada questiona sobre as medidas tomadas a curto, médio e longo prazo para combater casos gravíssimos como o de Catharina no Estado do Pará, além de cobrar a instauração de procedimento investigativo do caso para o processamento e julgamento do acusado com a aplicação das sanções máximas previstas na legislação, no caso específico, a exclusão do sargento Arthur dos Santos Júnior dos quadros da Polícia Militar do Pará.

Foto: Ozéas Santos

Conamp critica minirreforma eleitoral e PEC 9/2023 em nota pública

Anterior

Campeonato TV Cultura de Futebol Pelada

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *