Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Casal anuncia trabalho infantil e escravo

Um anúncio chocante, de trabalho infantil, trabalho análogo ao de escravo e adoção ilegal, veiculado no jornal Diário do Pará, foi denunciado hoje cedinho por um advogado à presidente da Associação dos Magistrados Trabalhistas da 8ª Região, juíza Claudine Rodrigues. Nos classificados, um casal que se diz de empresários, moradores apto. 202 do Condomínio Viver Castanheira, localizado na BR-316, perto do Viaduto do Coqueiro, ao lado da Amepa- Associação dos Magistrados do Pará, anuncia a “adoção” de menina de 12 a 18 anos, para morar com eles e cuidar de um bebê de um aninho. A juíza – que através da Amatra8 desenvolve o projeto Trabalho, Justiça e Cidadania, justamente em prol da infância e da juventude – ligou pessoalmente, do telefone institucional, sem se identificar, e confirmou a veracidade da denúncia. A pessoa que atendeu ao telefonema disse que o casal precisava de uma babá “com as exigências que estavam no jornal” (criança de 12 a adolescente de 18 anos, que resida no emprego). Quando a magistrada perguntou se a candidata poderia ter mais de 18 anos, ouviu um sonoro “de jeito nenhum!”. E na hora em que indagou o nome do contratante o homem desligou o telefone. As juízas do trabalho Zuíla Dutra e Vanilza Malcherque coordenam a campanha de erradicação do trabalho infantil do TRT8 e TST, já entraram em campo, também. Acionado com a cobrança de providências urgentes, o diretor geral da RBA, Camilo Centeno, prometeu que “tomaria as medidas necessárias imediatamente”. Amanhã mesmo será instaurada investigação pelo Ministério Público do Trabalho contra as pessoas físicas e o veículo de comunicação, já adiantou a procuradora-geral do MPT, Gisele Góes, e o Ministério Público do Estado também deverá ajuizar uma ação.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *