Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

Carnaval na floresta em Cametá

Arara, macaco, sapo, jacaré, boto, cobra, jabuti e outros bichos desfilam hoje no Carnaval na Floresta da comunidade de Juaba, vila de Cametá, cidade histórica do Pará que é a mais pacata da Amazônia e uma das mais pacíficas do Brasil. Lá, crianças homenageiam animais do imaginário amazônida-parauara no bloco Cordão da Bicharada, desde 1975, quando Mestre Zenóbio Gonçalves lançou seu admirável manifesto ecológico.
Aos 70 anos, há 43 o velho mestre produz fantasias de animais a partir de restos vegetais, sarrapilheira e malva, aproveitando também materiais sintéticos industriais (pelúcia, isopor, TNT, espuma), comparáveis aos parangolés e penetráveis de Hélio Oiticica. Reconhecido em 2017 pelo Prêmio Manifestações Culturais da Fundação Cultural do Pará, Mestre Zenóbio começou com cerca de 20 bichos e hoje já passam de 120 representações animalescas de várias espécies, todas vestidas pela turma miúda.  
E para quem não pode ir a Cametá, ainda dá tempo de conferir a exposição “De Cametá à Belém: Caminhos da Bicharada de Mestre Zenóbio”, que fica aberta até amanhã no hall Ismael Nery, no Centur. A entrada é livre e gratuita. 
As fotos são de Raimundo Paccó.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *