Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Câmara derrubou conselhos populares

A presidente Dilma Rousseff sofreu derrota emblemática, hoje à noite, na primeira votação na Câmara dos Deputados depois da reeleição. A oposição aprovou – com o apoio do PMDB – o projeto (PDC 1491/14) derrubando o decreto que criou a Política Nacional de Participação Social, o dos conselhos populares. O entendimento é de que ele é inconstitucional e acabaria com prerrogativas do Congresso Nacional, invertendo a lógica da democracia representativa. O considerado mais grave é a forma como os integrantes dos conselhos seriam escolhidos, pelo secretário-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho. 

A proposta de um plebiscito sobre pontos para reforma política, defendida pela presidente Dilma em discurso após a vitória nas eleições, também vai ser difícil passar no Congresso.
Os presidentes da Câmara, Henrique Eduardo Alves, e do Senado, Renan Calheiros, além de líderes de partidos da base governista e da oposição, já avisaram que não são a favor da ideia.
A maioria defende um referendo da população sobre o texto debatido pelos parlamentares, por acreditar que financiamento de campanhas, sistema eleitoral e coligações partidárias serem definidos em um plebiscito pode descambar para o populismo. Apesar de a necessidade de reforma do sistema político ser consenso entre os deputados, há diferentes visões de como deverá acontecer, seja da extensão ou dos temas a serem abordados.
O líder do governo, deputado Henrique Fontana (PT-RS), defende, por exemplo, a proposta de iniciativa popular denominada Eleições Limpas (PL 6316/13). Elaborada por diversas entidades da sociedade civil, como a OAB, a Comissão Justiça e Paz da CNBB e o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral, o texto impede empresas de financiarem campanhas eleitorais, autorizando apenas pessoas físicas a fazerem doações de até R$ 700. Além disso, o projeto criminaliza a prática de caixa dois eleitoral, com punição de até oito anos de detenção.
Já o líder do PSDB, deputado Antonio Imbassahy (BA), aponta como essenciais a redução dos partidos políticos, para evitar legendas de aluguel de tempo de TV, além da defesa do voto distrital. 

A PEC 352/13 do Grupo de Trabalho da Reforma Política, criado após as manifestações de junho, está na pauta da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania desde abril, com apoio de mais de dez partidos, mas não foi votada por obstrução do PT. O presidente da Câmara recebeu hoje, na reunião de líderes, requerimento do vice-líder do PP deputado Esperidião Amim (SC), assinado por 15 dos 22 líderes, para que a admissibilidade da PEC 352/13 seja votada pela CCJ amanhã. Alves endossou o pedido. Além dos debates no Congresso, o presidente do TSE, ministro Dias Toffoli, jogou mais lenha na fogueira na semana passada ao declarar que o tribunal discute propostas de reforma política para enviar ao Congresso Nacional. Entre os temas sugeridos estão o financiamento dos partidos e das campanhas, o horário eleitoral gratuito e questões como uma cláusula de desempenho e um limite para acesso ao fundo partidário.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *