Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

O juiz federal Henrique Jorge Dantas da Cruz condenou a União e o Estado do Pará à obrigação de fornecer Cerliponase Alfa (Brineura®) a uma criancinha de quatro anos durante todo o período de tratamento, sem interrupção. O remédio deverá…

A Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária da Assembleia Legislativa aprovou à unanimidade, hoje (15), as contas do governador Helder Barbalho relativas ao exercício de 2020. Conforme o relatório do presidente da CFFO, deputado Igor Normando (MDB), a receita bruta…

Câmara de Belém instalou CPI do BRT

A CPI do BRT foi instalada hoje pela Câmara Municipal de Belém. Será presidida pelo vereador Gleisson Oliveira(PSB), que tem como vice José Maria de Souza Dinely(PSC). O relator é o vereador Pio Netto(PTB). A vereadora Sandra Batista (PCdoB), autora do requerimento, em abril de 2013,  que originou a comissão, também compõe a CPI, integrada, ainda, por Nehemias Valentim (PSDB). Josias Higino (SDD) é suplente.
As reuniões serão semanais e sigilosas. A primeira delas, na 
quinta-feira (13) de manhã, vai definir o cronograma de atividades. 

O objetivo da CPI é investigar as obras do BRT durante a gestão do ex-prefeito Duciomar Costa(PTB), face as inúmeras irregularidades apontadas pelo MPE, MPF, TCM e TCU.
O processo licitatório que beneficiou a construtora Andrade Gutierrez também será alvo de apuração. O projeto do BRT foi deslanchado sem estudo de viabilidade técnica e previsão orçamentária. Duciomar Costa, acusado de improbidade administrativa, já teve os bens bloqueados pela Justiça Federal até o limite de R$ 98 milhões, valor estimado do prejuízo causado ao erário.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *