Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Boas novas culturais


Ontem foi um dia de boas notícias para a cultura no Pará. Foi assinado o convênio que viabilizará
o projeto de revitalização do Teatro São Cristóvão, em Belém, prédio art déco fundado em 1913 e inaugurado
pela União dos Chauffeurs em 1958, referência de apresentação de grupos de
pássaros folclóricos nas décadas de 1950 a 70, de membros do movimento estudantil e artistas que lutavam
contra a ditadura militar, e palco
também de shows de Roberto Carlos e Vinícius de Moraes.
Localizado na av. Magalhães Barata,
entre as ruas 3 de Maio e 14 de Abril, nos fundos da Associação dos Chauffeurs, o espaço voltará a ser palco oficial da cultura
popular. O prédio, que está literalmente caindo aos pedaços, ganhou em
sua defesa o
“Movimento em Prol do Teatro São Cristóvão”, organizado pela classe artística
de Belém, cujo maior receio era de que fosse vendido para alguma construtora e virasse
prédio comercial. A Secretária de
Cultura do Estado
encampou a luta pela desapropriação do imóvel. Agora, os proprietários serão indenizados
e o teatro, recuperado, abrigará a sede da
Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz e da Amazônia Jazz Band, além do Memorial
dos Pássaros. Só em Belém há 22 grupos de pássaros folclóricos. A obra é uma parceria entre os governos
federal e estadual, via diretoria de patrimônio da Secult. O processo de
desapropriação já está em curso na Secretaria de Obras Públicas do Estado.
A inauguração, em Belém, da primeira
incubadora da Rede Brasil Criativo na Região Norte, projeto sobre o qual já tratei
aqui no post Diversidade
cultural e inclusão
– tirando as maluquices
da ministra da Cultura, Marta Suplicy – é outra conquista significativa. Vai começar
a funcionar já a partir do próximo dia 12 de fevereiro.
E ontem à noite, a convite da cantora
lírica Gabriella Florenzano, o secretário de Estado do Cultura, Paulo Chaves, conheceu
o Projeto Cururu, da Paróquia de Santo Antônio de Lisboa, que fez a sua
culminância, com apresentação de números musicais, regido pelo maestro Agostinho Fonseca Jr., que é regente adjunto da Orquestra Sinfônicado Theatro da Paz.
O Projeto Cururu
surgiu em 2002 e concentra suas atividades na Igreja do Centrão, situada na Rua
São Miguel, esquina com a Tv. Dr. Moraes. Diariamente, 120 crianças e adolescentes
carentes recebem aulas de música (violino, viola, violoncelo, contrabaixo,
flauta doce, flauta transversal, clarinete e saxofone), prática de conjunto
(canto coral e orquestra jovem) e dança.


Já distinguido com o
Prêmio Marketing Cultural da ADVB e a Medalha Francisco Caldeira Castelo Branco
da Câmara Municipal de Belém, o projeto é desenvolvido sob a responsabilidade
do pároco e coordenador geral, Frei Edilson Rocha, tem como coordenadora
musical a Profª Eliane Ferreira Fonseca e coordenadora social a museóloga Rosa Arraes.
O secretário Paulo
Chaves, que levou seu filho Gabriel Chaves, ficou emocionado com o verdadeiro
resgate cidadão que resulta do projeto. Crianças atendidas hoje já colaboram
como monitoras e várias ganharam bolsas de estudo do Colégio Santa Rosa, onde
se distinguem com notas máximas. O maestro José Agostinho da Fonseca Neto, o Tinho, diretor da escola de música
Wilson Fonseca,  e regente da OrquestraJovem Maestro Wilson Fonseca, de Santarém, também prestigiou a apresentação. Ao
final, Paulo Chaves anunciou que, do orçamento apertado da Secult, vai dar um
jeito de viabilizar ainda este ano o núcleo de cordas da futura Orquestra
Sinfônica de Santarém, sonho acalentado há décadas e pelo qual Tinho Fonseca
tem lutado com garra de leão.
O secretário de
Cultura também elogiou a iniciativa da paróquia de Santo Antônio de Lisboa e a
dedicação dos professores e voluntários, realçando o largo alcance social e de
cidadania, e disse que vai se empenhar no sentido de buscar alternativas no
sentido de auxiliar não só a continuidade como a expansão das atividades. Por
sua vez, Gabriel Chaves, que é presidente da Juventude do PSDB de Belém, abraçou a
ideia de ir ao Sebrae pedir que envie técnicos a fim de capacitar os pais das
crianças – a maioria desempregados – para que possam se organizar em
cooperativa ou associação e assim criar fonte de renda própria, utilizando os
espaços oferecidos pelo centro comunitário da paróquia, já autorizados pelo
pároco Frei Edilson Rocha.
Ao final, as
crianças, acompanhadas pelos maestros, coordenadores, professores e monitores,
foram fazer visita monitorada e lanchar na Estação das Docas.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *