Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Bispo de Óbidos preside a CNBB Norte II

Dom Bernardo. Foto CNBB
Dom Bernardo Johannes Bahlmann, bispo da diocese de Óbidos – que era vice na gestão passada, de Dom Jesus Maria Cizaurre Berdonces, bispo de Cametá -, é o novo presidente da CNBB Norte II, com atuação no Pará e Amapá. Durante a 53ª Assembleia Geral da Conferência dos Bispos do Brasil, que encerra hoje em Aparecida (SP), dois sacerdotes que se destacam pela defesa dos direitos humanos, dos povos indígenas e do meio ambiente no Pará fizeram denúncias acerca da vulnerabilidade de crianças e adolescentes e de indígenas: Dom José Luiz Azcona, bispo do Marajó, e Dom Erwin Krautler, bispo do Xingu. Ambos têm sua importância amplamente reconhecida pela sociedade. Mesmo ameaçados de morte pelo intenso engajamento nas causas sociais, Dom Azcona e Dom Erwin seguem em frente com sua missão, ainda que como vozes isoladas na incansável luta em favor dos excluídos, dos direitos dos povos indígenas à terra, à cultura e à dignidade, dos pequenos agricultores que são espoliados de sua terra e de seus direitos, dos injustiçados, daqueles que têm suas fragilidades impostas por uma sociedade excludente e utilitarista. Há cerca de três décadas na Amazônia, os bispos se notabilizaram ao denunciar a exploração sexual de adolescentes por políticos no interior do Pará, a emasculação e o assassinato de meninos em Altamira, a atuação de grileiros e madeireiros com práticas de trabalho escravo e destruição do meio ambiente. Foi Dom Azcona que, com muita coragem, levou o problema da pedofilia no Brasil para o Vaticano, pedindo providências ao Papa. 

Dom Azcona – que é o bispo acompanhante da Comissão Justiça e Paz da CNBB Norte II – completou 75 anos de idade no dia 28 de março deste ano e, como recomenda o Direito Canônico, apresentou sua renúncia. No dia 16 de março, o Papa Francisco, através da Nunciatura Apostólica no Brasil, aceitou o pedido, mas solicitou a sua permanência até que seja escolhido novo bispo para o Marajó.

Fundada no Rio de Janeiro em 14 de outubro de 1952, tendo como primeiro presidente o cardeal Carlos Carmelo de Vasconcelos Motta e como secretário geral o lendário Dom Helder Câmara, a primeira assembléia da CNBB foi em Belém do Pará, entre os dias 17 e 20 de agosto de 1953. A Regional Norte II foi criada em maio de 1966.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *