Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Berço ficará mais de 5 anos interditado

Passados mais de dois anos do naufrágio do navio Haidar, com cinco mil bois vivos e 700 mil litros de óleo, o berço para embarque de carga viva do porto de Vila do Conde, em Barcarena(PA), continua interditado e sequer há previsão de data para a retirada da carcaça do navio. Depois de várias ações judiciais, o Ministério dos Transportes assumiu a remoção, a um custo de R$60 milhões, e a licitação foi anunciada. Mas só quando houver a efetiva liberação do dinheiro será iniciado o içamento do navio, processo que demora entre seis e oito meses. Tem mais: o berço não será liberado num prazo menor que três anos, já que também serão necessárias obras de limpeza, adequação, dragagem e outras, para que o problema seja definitivamente resolvido. Ou seja: no mínimo, serão seis anos de prejuízos acumulados – perdas efetivamente sofridas e o que se deixou de ganhar. 

Em 6 de outubro de 2015, o naufrágio ocasionou a morte da carga viva mediante intenso sofrimento, poluiu as águas e as praias com os animais mortos e vazamento de óleo, bem como espalhamento de feno, causando intenso dano ambiental e, ainda, riscos e danos à saúde humana. Um desastre social e ambiental de proporções catastróficas. E até agora as comunidades afetadas diretamente e o Pará como um todo não foram indenizados.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *