Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

Berço ficará mais de 5 anos interditado

Passados mais de dois anos do naufrágio do navio Haidar, com cinco mil bois vivos e 700 mil litros de óleo, o berço para embarque de carga viva do porto de Vila do Conde, em Barcarena(PA), continua interditado e sequer há previsão de data para a retirada da carcaça do navio. Depois de várias ações judiciais, o Ministério dos Transportes assumiu a remoção, a um custo de R$60 milhões, e a licitação foi anunciada. Mas só quando houver a efetiva liberação do dinheiro será iniciado o içamento do navio, processo que demora entre seis e oito meses. Tem mais: o berço não será liberado num prazo menor que três anos, já que também serão necessárias obras de limpeza, adequação, dragagem e outras, para que o problema seja definitivamente resolvido. Ou seja: no mínimo, serão seis anos de prejuízos acumulados – perdas efetivamente sofridas e o que se deixou de ganhar. 

Em 6 de outubro de 2015, o naufrágio ocasionou a morte da carga viva mediante intenso sofrimento, poluiu as águas e as praias com os animais mortos e vazamento de óleo, bem como espalhamento de feno, causando intenso dano ambiental e, ainda, riscos e danos à saúde humana. Um desastre social e ambiental de proporções catastróficas. E até agora as comunidades afetadas diretamente e o Pará como um todo não foram indenizados.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *