O presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, foi aclamado ontem por servidores e deputados após a sessão plenária, que se estendeu até as 15h, ao entregar os espaços reformados que já estão prontos para utilização. É que, em…

O delegado de polícia de Oriximiná, Edmílson Faro, prendeu o vigia Ailton Ferreira da Silva a pedido do presidente da Câmara Municipal, vereador Marcelo Andrade Sarubi (PSDB) e do vereador Márcio Canto (PTB) e, na presença de ambos e do…

Primeira do Brasil totalmente focada na educação para o trânsito, a biblioteca do Detran-PA foi criada em 1998 e começou direcionada ao público interno, funcionando no antigo prédio do órgão, ao lado da Ceasa. Em 1º de novembro de 1999,…

A Prefeitura de Belém vai revitalizar dezesseis imóveis do município que estão há anos em situação de abandono. Além do resgate do patrimônio histórico, artístico e cultural, a intenção é reduzir gastos com aluguéis de prédios que abrigam órgãos municipais.…

Awaeté do Xingu no Mangal das Garças

Foto:ParáTurismo
A exposição “Awaeté do Xingu”, que significa “Gente de verdade” no dialeto do povo Asurini, revela o fazer e viver dos índios Asurini através de seu artesanato.  Instalada no Armazém do Tempo, no Parque Zoobotânico do Mangal das Garças, abre hoje, com visitação das 9h às 18h.
Resultado de projeto desenvolvido pela Fundação Ipiranga com os povos indígenas há 15 anos, a mostra resgata o hábito de transmissão da produção artesanal Asurini, que se tinha perdido na aldeia, a única remanescente desse povo, formada por cerca de 190 pessoas, que habitam a
 margem direita do rio Xingu, na terra indígena Koatinemo, no município de Altamira(PA), sobrevivem da agricultura, caça, coleta vegetal, pesca e se dedicam à produção material de sua cultura, que envolve o uso de grafismo da pintura corporal à cerâmica, tecidos e outros objetos. Além de expor a riqueza cultural do povo nativo, a exposição também será espaço para adquirir lembranças e artes da região. Artigos característicos da cultura indígena como cerâmicas, cuias, objetos ritualísticos, acessórios e redes estarão à venda, como forma de gerar renda aos Asurini. Há também camisas, chaveiros, canecas e bolsas, todos personalizados com grafismo indígena.
A cerimônia de abertura, a partir das 17h, terá apresentação do violonista Salomão Habib. Não percam. A entrada é gratuita. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *