Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Atendimento básico

“Uma “Unidade de Saúde” tem todo um protocolo de serviços de saúde curativa e preventiva: de atendimento médico-ambulatorial; de apoio diagnóstico; de higiene e saúde bucal; de aconselhamento em nutrição; de assistência social; de apoio psicológico, social e ocupacional; de controle da hipertensão e diabetes; de controle de endemias; de suporte operacional aos programas de imunização; etc. 

Quando todo este conjunto funciona bem, as demandas do bairro (e de outros locais) são atendidas, porque uma coisa influencia em outra e todas promovem saúde e bem estar. O que vem acontecendo com as nossas unidades – e a imprensa não divulga – é a depreciação geral do conjunto, o que causa sim, grande aumento de demanda no ambulatório médico. 


Quando os governos desprezam o atendimento básico, remetem o problema para um patamar de agravos de problemas que podem sim ser controlados numa boa unidade de saúde. Se um paciente com suspeita de dengue ao chegar é atendido pelo médico e faz exames laboratoriais básicos “in loco”, descobrindo-se precocemente que suas plaquetas estão drasticamente diminuídas, é um caso a ser tratado a partir deste momento, não devendo esperar para retornar só depois que a crise hemorrágica se instala. Não adianta fazer apenas o exame específico de dengue (de grande valor ao estudo epidemiológico), cujo resultado leva três semanas e só é entregue na residência deste quando já está curado ou morto.

Outro grande problema da saúde pública – principalmente dos serviços médicos de urgência, é a proliferação e o prolongamento de festas e bebedeiras até o sol raiar, quando então os PSMs ficam lotados de imprudentes vítimas de suas irresponsabilidades e valentias. Lei já tem para regular as festas, mas ninguém cumpre.

Em minha opinião, as unidades básicas de saúde deveriam ser bem equipadas e até com serviços que ainda não constam no protocolo.
(Leitor do blog, em comentário pertinente ao post Caso de Polícia).

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *